Participamos do

FMI rebaixa projeção de crescimento para a América Latina a 2,4% em 2022

11:34 | Jan. 25, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu, nesta terça-feira (25), a projeção de crescimento econômico para a América Latina e o Caribe este ano, com cortes acentuados para Brasil e México, as duas principais economias da região.

O Produto Interno Bruto (PIB) regional crescerá 2,4% em 2022, 0,6 ponto percentual a menos do que o previsto em outubro, anunciou o FMI ao atualizar seu "World Economic Outlook" (WEO).

Mas o PIB do Brasil crescerá apenas 0,3% e o do México 2,8%, em ambos os casos 1,2 ponto percentual a menos que a projeção anterior, destacou.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Para a Argentina, terceira maior economia da América Latina e que há meses negocia o refinanciamento de uma dívida de 44 bilhões de dólares com o FMI, o Fundo prevê um crescimento de 3% em 2022, após uma contração de 9,9% em 2020 e uma expansão de 10% em 2021.

A expansão do PIB regional em 2022 será dois pontos percentuais menor que a do PIB global, revisado para baixo para 4,4%.

O FMI cortou sua previsão de crescimento global citando o impacto da variante ômicron do coronavírus, que contribuiu para uma desaceleração econômica nos Estados Unidos e na China.

E disse que esse corte "reflete também revisões" em mercados emergentes como o latino-americano.

No Brasil, "o combate à inflação provocou uma forte resposta de política monetária, que pesará sobre a demanda doméstica. Dinâmica semelhante a esta ocorre no México, embora em menor escala", disse o Fundo, referindo-se ao aumento das taxas de juros pelos bancos centrais dos dois países.

"Além disso, a redução da previsão de crescimento dos Estados Unidos traz consigo a perspectiva de uma demanda externa mais fraca do que o esperado do México em 2022", acrescentou.

Para o próximo ano, o FMI espera que o PIB da América Latina e do Caribe cresça 2,6%.

ad/mr

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags