Participamos do

Uma década de golpes de Estado na África

18:18 | Jan. 24, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

A tomada do poder pelos militares em Burkina Faso nesta segunda-feira (24) foi uma de uma longa série de golpes e golpes na África na última década.

Em 22 de março, os militares derrubaram o regime de Amadou Toumani Touré. Um "Comitê Nacional para a Recuperação da Democracia e Restauração do Estado", chefiado pelo Capitão Amadou Haya Sanogo, dissolveu as instituições.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Em 12 de abril, um golpe militar interrompeu o processo eleitoral duas semanas antes do segundo turno das eleições presidenciais. Os golpistas, liderados pelo general Antonio Indjai, afastaram o presidente Pereira e o primeiro-ministro, Gomes Junior.

Em março, os rebeldes Seleka, essencialmente muçulmanos, tomaram a capital Bangui, expulsando François Bozizé, no poder há 10 anos.

Seu chefe, Michel Djotodia, se autoproclamou presidente. O país então afundou em uma crise política e de segurança que opõe principalmente milícias cristãs e animistas, os anti-balaka, e os Seleka.

Em 3 de julho, após grandes manifestações exigindo a saída de Mohamed Morsi, eleito em 2012, o exército o destituiu e o prendeu.

Em 17 de setembro, menos de um ano após a queda de Blaise Compaoré, deposto do poder por uma revolta popular, o presidente Michel Kafando foi deposto por um golpe liderado por uma unidade de elite do Exército. Ele recuperou suas funções uma semana depois, após um acordo entre soldados leais e o atores do golpe.

Em 21 de novembro, o presidente Robert Mugabe, o líder mais velho do planeta aos 93 anos, renunciou sob pressão do exército, de seu partido e da população, após uma semana de crise.

Em 11 de abril, Omar Al Bashir, no poder há 30 anos, foi deposto pelo exército após quatro meses de protestos populares. Foi criado conselho de transição e um primeiro-ministro civil tomou posse.

Em 18 de agosto, o presidente Ibrahim Boubacar Keita foi deposto após vários meses de crise política. O golpe militar deu origem a sanções internacionais, levantadas após a formação, em 5 de outubro, de um governo de transição por um período de 18 meses para devolver o poder aos civis.

Em 20 de abril, um dia após a morte do presidente Idriss Déby Itno, um conselho militar de transição presidido pelo filho do falecido presidente, Mahamat Idriss Déby, até então chefe da poderosa Guarda Presidencial, dissolveu o governo e a Assembleia Nacional. Prometeu novas instituições após eleições "livres e democráticas" em um ano e meio.

Um "diálogo nacional inclusivo" deveria começar em 15 de fevereiro de 2022, mas foi adiado, principalmente porque os grupos rebeldes que realizam ataques regulares contra o governo demoram a tomar uma posição unida nas negociações com a junta militar.

Em 24 de maio, os militares prenderam o presidente e o primeiro-ministro, após a nomeação de um novo governo de transição do qual não gostaram. O coronel Assimi Goita foi empossado em junho como presidente de transição.

A junta garantiu primeiro que devolveria o poder aos civis no início de 2022. Depois, propôs prolongar a transição por vários anos.

Em 5 de setembro, o presidente Alpha Condé foi derrubado por um golpe militar. Os golpistas, liderados pelo coronel Mamady Doumbouya, prometem uma "consulta" nacional visando uma transição política para um "governo de unidade nacional".

Em 25 de outubro, os militares prenderam os líderes civis das autoridades de transição, desencadeando manifestações massivas contra esse novo golpe, liderado pelo general Abdel Fatah al-Burhan, cuja repressão deixou dezenas de mortos.

Em 24 de janeiro, soldados uniformizados anunciam na televisão nacional que tomaram o poder, prometendo "retornar à ordem constitucional" dentro de um "período de tempo razoável".

doc-cds/ang/jhd/rsc/mar/mis/mb/ap/mvv

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags