Participamos do

Bolsonaro não fará cirurgia para tratar obstrução intestinal

12:00 | Jan. 04, 2022
Autor AFP
Tipo Notícia

O presidente Jair Bolsonaro superou a obstrução intestinal pela qual precisou ser internado em São Paulo e não precisará se submeter a uma cirurgia, informou o hospital Vila Nova Star, que até o momento não tem previsão de alta.

"O quadro de suboclusão intestinal" do presidente "se desfez, não havendo indicação cirúrgica", informou o Hospital Vila Nova Star em um boletim.

"A evolução do paciente clínica e laboratorialmente segue satisfatória e será iniciada hoje uma dieta líquida. Ainda não há previsão de alta", acrescentou.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Bolsonaro, de 66 anos, que recebeu uma facada no abdômen durante a campanha presidencial de 2018, foi internado no hospital na madrugada de segunda-feira após um mal-estar abdominal durante suas férias em Santa Catarina.

Após ser hospitalizado, publicou uma foto na qual aparecia com uma sonda no nariz e disse que estava realizando exames "para uma possível cirurgia".

O médico cirurgião Antonio Luiz Macedo, que trata Bolsonaro e o operou outras vezes, interrompeu suas férias no exterior e voltou para o Brasil na madrugada desta terça-feira para examinar o presidente e decidir se uma cirurgia seria necessária.

Bolsonaro, no poder desde 2019, já havia sido internado em julho para ser tratado de uma obstrução intestinal. Na ocasião, ele permaneceu hospitalizado por quatro dias e não precisou ser operado.

Em razão do ataque sofrido em 2018, o líder da extrema direita passou por pelo menos quatro cirurgias, incluindo a colocação e posterior remoção de uma bolsa de colostomia, o que o tornou mais sujeito a distúrbios intestinais.

O presidente estava de férias desde o dia 27 de dezembro no estado de Santa Catarina, onde foi visto aproveitando de passeios na praia e em um parque de diversões com a família.

Durante sua estada no litoral catarinense, Bolsonaro foi alvo de duras críticas por curtir suas férias enquanto o estado da Bahia foi palco de chuvas intensas que causaram 25 mortes e grandes prejuízos em dezenas de municípios e rodovias regionais.

Questionado igualmente pelo manejo da pandemia, que deixou quase 620 mil mortos no Brasil, e pela crise econômica, Bolsonaro registra seu menor nível de popularidade, com 53% de reprovação, segundo o Instituto Datafolha.

Segundo as últimas pesquisas, o presidente perderia as eleições presidenciais de outubro para o ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que ainda não confirmou sua candidatura.

mel/app/dga/ltl/mr/aa

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags