Participamos do

Covid-19: Venezuela começa a aplicar vacinas cubanas em crianças de até 11 anos

Ministro da Saúde venezuelano prometeu que País vai vacinar 3,5 milhões de crianças progressivamente, mas não deu prazo
21:55 | Nov. 08, 2021
Autor AFP
Tipo Notícia

A Venezuela começou, nesta segunda-feira, 8, a aplicar vacinas cubanas contra a Covid-19 em crianças com idades entre 2 e 11 anos, inicialmente dando prioridade aos portadores de doenças que afetam seu sistema imunológico, segundo as autoridades.

"Já estamos iniciando esse processo muito importante (...), começando pelas crianças" com "sistema imunológico debilitado; por exemplo, crianças com doença renal ou algum tipo de doença que comprometa o sistema imunológico", disse a vice-presidente, Delcy Rodríguez, durante uma visita a um centro educacional para menores com necessidades especiais em Caracas, transmitida pela televisão estatal VTV.

O ministro da Saúde, Carlos Alvarado, garantiu que 3,5 milhões de crianças de 2 a 11 anos serão vacinadas "progressivamente" no país de 30 milhões de habitantes. Ele não deu prazos.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Rodríguez anunciou que, em um primeiro momento, é utilizada a vacina Soberana 2 de Cuba para esse fim e que nos próximos dias será aprovada a Abdala, outra vacina da ilha caribenha.

Uma terceira, da China, vai ser utilizada na imunização de crianças, acrescentou o responsável, sem especificar se é o Sinopharm ou o Sinovac.

A AFP fez um giro pelos postos de vacinação de Caracas, sem encontrar locais onde crianças menores de 12 anos estavam sendo imunizadas.

A Academia Nacional de Medicina expressou "preocupação" porque estas vacinas não foram testadas independentemente para "segurança e eficácia", embora apoie a decisão de usar as vacinas chinesas Sinopharm e Sinovac em adolescentes entre 12 e 18 anos de idade.

Maduro garantiu no domingo que 70% da população da Venezuela já foi vacinada. A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), ao contrário, estima que apenas um terço dos habitantes desta nação (9,2 milhões) receberam duas doses.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags