Participamos do

Ciberataques supostamente executados por russos atingem mais de mil empresas

17:58 | Jul. 03, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Autoridades de inteligência dos Estados Unidos apuram uma sequência de ataques cibernéticos pelo mundo contra empresas que utilizam o software de gestão de tecnologia da americana Kaseya. A Huntress Labs, especialista em cibersegurança, identificou ofensivas a 20 provedores de serviços de TI, que atingiram mais de mil companhias pelo mundo.

A principal suspeita no momento é a de que a investida tenha sido executada pelo grupo de criminosos russo REvil, o mesmo que atacou as operações da JBS nos EUA. A quadrilha usa o esquema conhecido como Ransomware, em que há uma espécie de sequestro do sistema e cobrança de resgate para a liberação.

Segundo a agência Bloomberg, citando o pesquisador da Aryeh Gorestky, da ESET, há vitimas em pelo menos 17 países até o momento, entre eles Reino Unido, África do Sul, México e Espanha. A Kaseya pediu aos seus clientes que mantenham o software offline enquanto a questão é resolvida.

A rede de supermercados da Suécia Coop revelou ter fechado cerca de 500 lojas no país ontem após ter sido alvo do ataque. À BBC, um porta-voz da varejista disse que tomou a decisão de não abrir a maioria de seus estabelecimentos hoje enquanto a situação é solucionada.

Em publicação no Twitter, a agência de Cibersegurança e Segurança de Infraestrutura (CERT, na sigla em inglês) dos EUA informou que "está tomando ação para entender e lidar com o recente ataque contra a Ksaeya VSA".

Os ataques acontecem pouco mais de duas semanas depois de o presidente dos EUA, Joe Biden, pedir ao homólogo russo, Vladimir Putin, que tome medidas para conter os ataques cibernéticos vindos do país. Durante encontro presencial, em Genebra, Putin voltou a negar que o governo tenha relação com os casos.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags