Participamos do

Adolescente conserta celulares usados para doar a alunos sem acesso a aulas remotas

Tiberio Malaiu, 17, é estudante do último ano do ensino médio e arrecada aparelhos em Santiago
17:44 | Mai. 10, 2021
Autor Beatriz Belchior
Foto do autor
Beatriz Belchior Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Em tempos de pandemia e crise nas diversas áreas sociais, as boas ações se destacam e são esperança para dias melhores. Uma dessas ações está sendo executada por um adolescente de 17 anos. Tiberio Malaiu é estudante do último ano do ensino médio e está se dedicando ao projeto "Collecting Dust", no qual arrecada e conserta celulares usados para doá-los a estudantes de baixa renda sem acesso a aulas remotas de escolas em Santiago, capital do Chile.

Em tradução livre, a iniciativa significa "Coletando Poeira! e é organizada no perfil no Instagram @_collectingdust. “Recebemos doações de telefones celulares, os reciclamos e depois os doamos a escolas vulneráveis para que as crianças se conectem às suas aulas online”, diz a descrição da página, que conta com mais de oito mil seguidores.

A maioria dos celulares estavam sem uso, engavetados ou esquecidos em algum lugar de casa, literalmente “juntando poeira”, como observa Tiberio. As informações são do portal Razões para Acreditar.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O adolescente relata que toda semana chegam celulares e que a única exigência é que os aparelhos suportem os aplicativos que os estudantes precisam para as aulas. O Google Classroom, Zoom, Google Meet e WhatsApp, são algumas dessas ferramentas. Atualmente, Tiberio conta com o auxílio de oito pessoas, entre amigos e até desconhecidos que se dispuseram a ajudar. “Tive muito apoio da minha família”, destacou ele.

Ideia

A primeira doação da iniciativa foi feita pelo próprio garoto, que entrou em contato com uma escola que necessitava dos aparelhos. Após isso, os diretores das escolas passaram a procurar por ele. “Percebi que havia uma grande carência tecnológica e que muitos não conseguiam se conectar porque não tinham acesso à internet ou ao celular”, ressalta Tiberio.

Antes de dar início ao projeto, em janeiro deste ano, o estudante já havia participado de oficinas para alunos sem acesso a tecnologias. E sentiu que precisava agir para esse público mais vulnerável. O objetivo de Tiberio é continuar arrecadando doações mesmo depois que a pandemia acabar e as aulas presenciais retornarem. “O mais importante é dar o seu apoio, sua ajuda e seu tempo”, completa o garoto.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags