PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Cientistas poloneses anunciam descoberta de múmia egípcia grávida

A múmia não foi aberta, mas uma das radiografias mostra que a mulher tinha cabelos longos e encaracolados, que desciam até os ombros.

15:25 | 29/04/2021
Cientistas descobriram a primeira múmia egípcia grávida do mundo enquanto faziam varreduras nos restos mortais de 2.000 anos. (Foto: ALEKSANDER LEYDO / WARSAW MUMMY PROJECT / AFP)
Cientistas descobriram a primeira múmia egípcia grávida do mundo enquanto faziam varreduras nos restos mortais de 2.000 anos. (Foto: ALEKSANDER LEYDO / WARSAW MUMMY PROJECT / AFP)

Cientistas poloneses anunciaram, nesta quinta-feira (29), que descobriram uma múmia egípcia grávida, a primeira neste estado no mundo, quando tiravam raios-X de seus restos mortais de 2.000 anos no Museu Nacional de Varsóvia.

"Meu marido Stanislaw, egiptólogo, e eu, ao examinarmos as imagens radiográficas, notamos no útero da falecida uma imagem familiar a pais de três filhos: um pezinho!", declarou à imprensa Marzena Ozarek-Szilke, antropóloga e arqueóloga da Universidade de Varsóvia.

"Não sabemos por que o feto não foi retirado do útero da falecida durante sua mumificação", disse Wojciech Ejsmond, da Academia Polonesa de Ciências, que também participa no projeto.

"Esta múmia é realmente única. Não encontramos casos semelhantes. Isso significa que 'nossa' múmia é a única encontrada no mundo com um feto", ressaltou.

Ozarek-Szilke levantou a hipótese de que pode ter havido uma intenção de "esconder a gravidez (...) ou, talvez, tivesse algum significado ligado a crenças sobre o renascimento na vida após a morte".

De acordo com o estudo dos hieróglifos inscritos no sarcófago, inicialmente considerou-se que a múmia era de um sacerdote que viveu entre o século I a.C. e o século I d.C.

Os cientistas, no entanto, agora acreditam que pode ser ainda mais antiga e estão tentando descobrir a possível causa de sua morte.

A múmia não foi aberta, mas uma das radiografias mostra que a mulher tinha cabelos longos e encaracolados, que desciam até os ombros.

Esta descoberta foi anunciada na última edição do Journal of Archaeological Science, uma publicação revisada por pares.

"É o primeiro caso conhecido de um corpo embalsamado de gestante (...) Isso abre novas possibilidades para pesquisas sobre gravidez na antiguidade e práticas relacionadas à maternidade", destaca o artigo.

A múmia foi levada para a Polônia no século XIX e faz parte da coleção de antiguidades da Universidade de Varsóvia.

Está no Museu Nacional desde 1917 e está exposta no sarcófago.