PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Japão pretende despejar água radioativa da usina de Fukushima no mar

De acordo com as autoridades, o líquido contaminado passará por processos de purificação antes de serem despejados no oceano

23:46 | 08/04/2021
O acidente nuclear aconteceu após um tsunami atingir as instalações (Foto: Instituto Nikkeyweb/Reprodução)
O acidente nuclear aconteceu após um tsunami atingir as instalações (Foto: Instituto Nikkeyweb/Reprodução)

O primeiro-ministro do Japão, Yoshihide Suga, anunciou na última quarta-feira, 7, que após 10 anos do acidente nuclear da usina de Fukushima, é necessário decidir o que se fazer com a água radioativa acumulada na usina. Até o momento, o provável destino é o despejo no Oceano Pacífico. O político garante, no entanto, que o material passará por processo de descontaminação.

O acidente nuclear aconteceu em março de 2011, quando a usina de Fukushima foi atingida por um tsunami provocado por um maremoto de magnitude 8,7. Os danos causados fizeram com que três dos seis reatores da usina derretessem. Na época do acidente, cerca de 1 milhão de toneladas de água foram utilizados para impedir o derretimento de todos os núcleos de combustível.

LEIA TAMBÉM | Banco do Japão não deve abordar diretamente questões ambientais neste momento

De acordo com Yoshihide Suga, em breve as instalações ficarão sem espaço para armazenar a água subterrânea que vaza para dentro da instalação e que, se nada for feito, o líquido contaminado poderá escapar para o oceano.

Segundo o portal Futurism, moradores que vivem da pesca temem a estratégia por conta de um preconceito com o pescado de águas radioativas. Atualmente, cerca de 15 países, incluindo China, Hong Kong e Taiwan, ainda restringem a importação de produtos advindos de Fukushima.

LEIA TAMBÉM | Japão prorroga sanções contra Coreia do Norte por dois anos

No entanto, o ministro do Comércio japonês, Hiroshi Kajiyama, garantiu que, antes de ser descartada no Pacífico, a água será purificada. “O que fazer com a água tratada é uma tarefa que o governo não pode mais adiar sem estabelecer uma política”, disse o ministro Hiroshi Kajiyama, em entrevista coletiva na última quarta-feira. Segundo ele, o trítio radioativo, resíduo que permanece mesmo depois do processo de limpeza, passará pelo processo de diluição e, só depois, a água será despejada no mar ao longo de 30 anos.