PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Covid-19: França enfrenta dilema para frear infecções

01:14 | 01/04/2021
O presidente Emmanuel Macron quer evitar um terceiro lockdown rígido em nível nacional. Mas com disparo de novas infecções, pode não haver muitas escolhas.Assim como em muitas outras partes do mundo, as pessoas na França se cansaram de seguir restrições para desacelerar a disseminação do coronavírus. Celine – que prefere não revelar seu sobrenome – vem violando as regras há meses. Ela costuma voltar de reuniões em casas de amigos com sua filha de 2 anos por volta das 20h30, apesar de um toque de recolher imposto em todo o país que começa às 19h. Na rua, às vezes ela tira a máscara – pelo menos quando não há ninguém por perto –, embora o uso de proteção facial seja obrigatório nas ruas de Paris. E recentemente, num final de semana, ela foi visitar a mãe, que mora a 80 quilômetros de distância, no departamento de Seine-et-Marne, a leste de Paris. Ela fez a viagem, embora habitantes da capital e de 18 outros departamentos, onde restrições mais rígidas foram impostas nas últimas duas semanas, só possam se deslocar em um raio de 10 quilômetros ao redor de suas casas. Restrições 'absurdas' do coronavírus "É claro que tenho medo da covid-19. Antes de visitar minha mãe, fui testada duas vezes e ela foi vacinada", disse Celine à DW. "Mas não entendo por que devo seguir essas regras absurdas. Por que deveríamos estar em casa às 19h e não às 20h30 e por que raios eu tenho que ficar a uma certa distância de minha casa?" Celine tem a sensação que a população está pagando o preço pela "incompetência" dos líderes do país. "O governo é incapaz de administrar essa crise. Primeiro não tínhamos máscaras; depois, mudaram a mensagem e as regras; e agora a campanha de vacinação avança a passo de lesma. É inacreditável", disse com um tom de indignação. Rejeição às regras Muitos de seus compatriotas concordariam. Apenas 56% dos que vivem em departamentos com regras mais rígidas aprovam as restrições, de acordo com uma pesquisa realizada pelo instituto de pesquisas Sodoxa a pedidos da rádio France Info, do jornal Le Figaro e da empresa parisiense Backbone Consulting. Durante o primeiro lockdown nacional do país, no início do ano passado, esse número ficou em 96% entre os franceses. Acompanhando essa tendência, apenas metade dos habitantes das zonas sob maiores restrições afirmam que obedecerão às novas regras. Ainda que seja apenas um "lockdown brando". Ao contrário dos bloqueios anteriores, as caminhadas diárias dos habitantes não são mais limitadas a uma hora, eles não precisam preencher um formulário para sair de casa – a menos que seja durante o toque de recolher – e a regra dos 10 quilômetros substitui, na verdade, outra muito mais restritiva de apenas 1 quilômetro. Uma decisão política? Apesar de uma incidência de 370 novas infecções semanais por 100 mil habitantes – um número muito maior do que na maioria dos outros países europeus –, o presidente francês, Emmanuel Macron, prefere manter as restrições como estão e não impor um lockdown nacional mais rígido. No que diz respeito a Macron, tudo se resume à política, opina Bruno Cautres, do Centro para Pesquisas Políticas do instituto Science Po, de Paris. "No final de janeiro, o presidente decidiu contra um terceiro bloqueio – ao contrário do que recomendavam muitos especialistas. Ele queria mostrar que era ele quem estava no controle da situação, e não o vírus", disse Cautres à DW. Para o pesquisador, Macron age como um típico presidente francês, que reina sobre um sistema vertical muito centralizado e deseja parecer todo-poderoso. "Mas isso também se deve ao caráter de Macron. Desde sua eleição em 2017, ele se mostrou bastante altivo e quer mostrar que é eficiente como presidente", disse Cautres, acrescentando que Macron está tentando lapidar seu perfil para as próximas eleições gerais em 2022. Quem ganha é a extrema direita Mas a estratégia parece estar saindo pela culatra. "Apenas 16% dos franceses disseram em nossa última pesquisa para o instituto de pesquisas BVA que achavam que o presidente sabe o que está fazendo, em comparação com 42% em outubro passado", disse Cautres. Além do mais, o curso de ação do governo parece estar jogando inadvertidamente a favor da extrema direita, diz Stephane Wahnich, chefe da agência de pesquisas SCP communication, com sede em Paris. "O [partido] Rassemblement National, de extrema direita, agora tem uma base eleitoral estável. Certas pesquisas preveem que sua líder, Marine Le Pen, conseguiria 48% dos votos em um segundo turno contra Macron", disse Wahnich em entrevista à DW. "Mas o que o partido dela precisa é de uma espécie de caos onde pudesse intervir e trazer alguma ordem autoritária", acrescentou. "A epidemia e a má gestão do governo estão dando a Le Pen essa oportunidade." Wahnich acredita que parte da razão pela qual a França está agora lutando novamente com uma nova onda de covid-19 se explica pela economia. "Macron colocou bilhões de euros na mesa para mitigar os danos econômicos da crise, ao tempo que, após meses de protestos por mais justiça econômica pelos chamados coletes amarelos, ele temia uma revolução social", aponta. "Mas ele pouco investiu no preparo do setor de saúde para as próximas ondas e na campanha de vacinação”, acrescentou o analista. Médicos podem ter que fazer triagem de pacientes Os primeiros a sentir isso são os médicos, obviamente. Muitos deles pressionam há meses por medidas mais rígidas para conter a nova onda, com vários artigos de opinião sobre o tema publicados nos últimos dias. Um deles, no semanário Journal du Dimanche, foi assinado por 41 médicos intensivistas da região de Paris. O artigo alertava que os hospitais teriam que começar a selecionar pacientes para terapia intensiva nas próximas duas semanas. Antoine Vieillard-Baron, chefe de um grupo de médicos intensivistas da região de Paris, foi um dos signatários. "Até agora, tivemos que cancelar 40% das operações não relacionadas ao coronavírus, e teremos que cuidar de 3,5 mil pacientes de terapia intensiva até meados de abril, conforme estimativas baseadas no número de pessoas já contaminadas", disse ele a DW. "Isso é 800 a mais do que durante o pico da primeira onda na primavera de 2020 [no hemisfério norte]", acrescentou Vieillard-Baron. Atualmente, as unidades de terapia intensiva da região estão com mais de 130% de sua capacidade normal, com cerca de 1,5 mil pacientes. O médico pede, portanto, que o governo tome medidas mais rígidas – e rápidas: "Do contrário, os números vão subir ainda mais do que o previsto!" Vieillard-Baron acrescentou que a campanha de vacinação não foi rápida o suficiente para conter o aumento – cerca de 7,8 milhões de pessoas, ou seja, 11% da população francesa, já receberam sua primeira injeção. Novas medidas no horizonte Macron parece agora estar avaliando a possibilidade de implantar novas medidas, com um discurso televisivo marcado para esta quarta-feira à noite. No entanto, é improvável que outro bloqueio rígido reconquiste o apoio de Celine. "Eu não vou ficar novamente em casa, em 40 metros quadrados com meu marido e minha filha – isso seria simplesmente insuportável!", disse. "Se essas são as regras, vou encontrar maneiras de contorná-las." Autor: Lisa Louis
TAGS