PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Mãe dá luz a trigêmeos idênticos; chance é de 1 em 200 milhões, chance de ganhar na Mega-Sena é 1 em 50 milhões

"Tim ficou branco como um fantasma. Eu entrei em choque", relembra a mãe sobre a reação do marido ao saber da notícia

16:49 | 24/11/2020
Os três meninos foram chamados de Jaxon, Zac e Zavier (Foto: Reprodução/Instagram)
Os três meninos foram chamados de Jaxon, Zac e Zavier (Foto: Reprodução/Instagram)

A australiana Allana Alard ganhou na loteria da maternidade: a mulher de 29 anos deu a luz a trigêmeos idênticos na sua primeira gestação. As chances disso ocorrer são de 1 em 200 milhões, enquanto, para ganhar na Mega-Sena com o bilhete comum, as chances são de 1 em 50 milhões.

Os três meninos foram chamados de Jaxon, Zac e Zavier. Segundo o jornal britânico Mirror, os trigêmeos nasceram em maio em plena pandemia do novo coronavírus, mas o caso só ganhou repercussão na imprensa australiana neste mês. Nascida na Escócia, porém vivendo na Austrália desde os 13 anos, Allana conta que não há histórico na família de nascimentos nem de gêmeos, tampouco de trigêmeos.

Ela e o marido, Tim, decidiram engravidar em 2019. Não foi difícil: após duas semanas, o casal fez um teste de gravidez, que deu positivo. Após seis semanas de gravidez, Allana realizou um ultrassom e foi surpreendida com o pulsar de mais de um coração. “Inicialmente, ouvimos dois batimentos cardíacos, e nos disseram que eram gêmeos. Mas depois de fazer um ultrassom interno, recebemos a notícia de que eram trigêmeos”, relembra. “Tim ficou branco como um fantasma. Eu entrei em choque”.

“Depois do choque inicial, ficamos muito animados. Claro que ficamos um pouco assustados como todos os novos pais, mas ficamos felizes”, contou a mãe do trio. A gestação surpreendente também foi singular: quando Allana estava no quinto mês de gravidez, o mundo cerrou as portas com a pandemia, que contaminou cerca de 27 mil pessoas e matou pouco mais de 900 pessoas na Austrália.

Por conta do vírus, no nascimento dos meninos, nenhum parente pôde acompanhar o casal. Eles, aliás, precisaram ficar três semanas no hospital para garantir a segurança dos recém-nascidos. De início, os médicos e o casal pensaram que a gestação seria de gêmeos idênticos e um fraterno (que não têm a mesma aparência), já que estavam divididos em duas placentas, uma com dois bebês, outra com um.

No entanto, após o nascimento, a semelhança dos três era inegável. Por fim, um teste de DNA confirmou que eram todos idênticos. Todos nasceram com peso entre 1,9 e 2,3 quilos. Agora, seis meses após o nascimento e com a infecção de Covid-19 aparentemente controlada no país, os trigêmeos e os pais têm uma rotina tranquila em casa, e a mãe não deixa de compartilhar os registros da família em sua conta pessoal no Instagram.

Aos poucos, os pais vão adaptando tudo ao número três. O carrinho de bebê, por exemplo, com três lugares, precisou ser encomendado no exterior. Allana conta que, por onde andam, são parados por curiosos. E afirma: “Ainda me surpreende que três bebês saíram da minha barriga. Acabar tendo três foi um choque, mas também foi uma bênção”.