PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Trump briga com repórter de ascendência chinesa e encerra coletiva

Presidente norte-americano ficou irritado ao ser confrontado pela repórter Wijia Jiang, que recebeu apoio de colegas na coletiva, que insistiram na pergunta da qual Trump tentava desviar

22:17 | 11/05/2020
Trump demonstrou irritação com repórteres — mais uma vez  — durante boletim diário sobre coronavírus
Trump demonstrou irritação com repórteres — mais uma vez — durante boletim diário sobre coronavírus (Foto: Brendan Smialowski / AFP)

O presidente norte-americano, Donald Trump, encerrou abruptamente nesta segunda-feira, 11, a coletiva de imprensa diária sobre o enfrentamento do novo coronavírus no país, após se envolver em uma áspera discussão com uma repórter americana de origem asiática.

Weijia Jiang, repórter da CBS News, perguntou a Trump porque ele continuava a insistir em que os Estados Unidos estavam se saindo melhor do que outros países nas testagens do coronavírus. "Por que isso importa?", perguntou a jornalista. "Por que isto é uma competição mundial quando, todos os dias, americanos ainda estão perdendo suas vidas?".

"Estão perdendo vidas em todas as partes do mundo", reagiu Trump. "E talvez esta seja uma pergunta que você deveria fazer à China. Não me pergunte, faça esta pergunta à China, OK?"

Jiang, que se identifica em seu perfil do Twitter como uma "oeste-virginiana nascida na China", retrucou. "Senhor, por que está dizendo isso a mim especificamente?", perguntou, sugerindo que se devia à sua raça.

"Estou dizendo a todo aquele que fizer uma pergunta maldosa como esta", respondeu Trump.

Quando tentou passar para outro repórter, Jiang continuou a pressioná-lo por uma resposta. Trump chamou outra jornalista, mas imediatamente se dirigiu a uma terceira.

Quando as mulheres tentaram lhe fazer a pergunta da colega asiática, Trump abruptamente encerrou a coletiva e voltou para a Casa Branca.

As reações de apoio a Jiang apareceram rapidamente na Internet e a hashtag #StandWithWeijiaJiang (Apoie Weijia Jiang, em tradução livre) se tornou rapidamente um dos assuntos mais comentados no Twitter, recebendo a adesão de personalidades como o ator de Star Trek e ativista asiático-americano George Takei.

Trump, que nunca omitiu a irritação com a imprensa, costuma ter atritos com jornalistas durante suas coletivas sobre o coronavírus.

Mais de 80 mil pessoas morreram nos Estados Unidos na pandemia do novo coronavírus, com mais de 1,3 milhão de infectados, segundo os números mais recentes desta segunda-feira, 11, da Universidade Johns Hopkins.

O número de mortos e confirmações nos Estados Unidos é, de longe, o maior de um único país por Covid-19 em todo o mundo. Em comparação, os segundos colocados nos dois quesitos são Reino Unido e Espanha, com 32.141 óbitos e 227.436 casos, respectivamente, também segundo a Johns Hopkins. Sob o mesmo banco de dados, o Brasil é hoje o oitavo em confirmações (169.143) e sexto em mortes (11.625).

to/bgs/mvv