PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Papa Francisco: "a escuridão e a morte não têm a última palavra"

"Podemos e devemos esperar, apesar da tristeza que podemos abrigar", disse o papa

18:56 | 11/04/2020
Papa Francisco durante homilia na véspera da Páscoa 2020: "a escuridão e a morte não têm a última palavra" (Foto de Vincenzo PINTO / AFP)
Papa Francisco durante homilia na véspera da Páscoa 2020: "a escuridão e a morte não têm a última palavra" (Foto de Vincenzo PINTO / AFP) (Foto: Vincenzo PINTO / AFP)

"A escuridão e morte não têm a última palavra", disse o Papa Francisco em homilia na noite deste sábado, 11, véspera da Páscoa, enfatizando que essa festividade constitui "um anúncio de esperança". "Tudo vai ficar bem, dizemos constantemente essas semanas, agarrando a beleza de nossa humanidade e trazendo palavras de encorajamento de nossos corações. Mas, à medida que os dias passam e o medo cresce, até mesmo a mais intrépida esperança pode evaporar", alertou.Mas "podemos e devemos esperar, apesar da tristeza que podemos abrigar", insistiu.

O papa argentino aderiu recentemente ao apelo das Nações Unidas para um cessar-fogo imediato e mundial para preservar, contra o coronavírus, os civis mais vulneráveis dos países em guerra. "Vamos silenciar os gritos de morte, que as guerras terminem. Que a produção e o comércio de armas terminem, porque precisamos de pão e não de rifles", disse neste sábado em sua homilia pronunciada na Basílica de São Pedro, na presença de apenas uma dúzia de concelebrantes e uma dúzia de fiéis. A pandemia de coronavírus também impediu a celebração de batismos durante a tradicional missa de vigília da Páscoa.

O Papa Francisco dará sua bênção "Urbi et orbi" no domingo de Páscoa também de dentro de uma quase vazia Basílica de São Pedro, sem a aclamação dos 70 mil fiéis que vieram no ano passado para ouvir e cumprimentar o Santo Padre ao ar livre.