PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Como 19 mil poloneses se refugiaram na África na 2ª Guerra

00:03 | 03/06/2019
Documentário segue os passos da incrível história dos antepassados de um cineasta canadense: na década de 1940, milhares de refugiados viveram uma odisseia migratória da URSS até a atual Tanzânia, passando pelo Irã.Quando, aos 20 e poucos anos de idade, Jonathan Durand viajou pela primeira vez para a África, ele teve uma estranha sensação de estar em casa – algo "fora do comum para um jovem branco do Canadá", admite. Só aos poucos entendeu por que a região lhe parecia tão familiar. Durante a Segunda Guerra Mundial, sua avó polonesa vivera em parte num campo de refugiados na atual Tanzânia, e seus relatos da infância inusitada ao pé do monte Kilimanjaro haviam se gravado na alma dele. "Quando uma avó polonesa conta que subiu em safari a mais alta montanha africana, isso dá asas à imaginação de um garoto", comenta Durand, em entrevista à DW. Como jovem estudante de história, ele se admirava de quase não encontrar informações sobre a narrativa de seus ancestrais. "Aí, comecei a pesquisar." Os testemunhos da avó sobre a vida no lugarejo de Tengeru, no norte tanzaniano, motivaram o cineasta a partir para uma viagem carregada de emoção, uma busca das origens de sua família, que ele acabou por transformar num documentário. Memory is our homeland é o nome de seu filme, o qual recebeu o prêmio do público do festival de cinema RDIM, em Montreal: o somatório de nove anos de expedições de pesquisa pelo Leste Europeu, Oriente Médio e África. Kazia Gerech, a avó de Jonathan Durand, viveu com os pais e os irmãos, de 1942 a 1949, em simples cabanas cobertas de palha, em Tanganica, na época território administrado pelo Reino Unido. A pequena comunidade polonesa em Tengeru plantava legumes e verduras, fabricava sapatos, colchões e objetos de sisal. Em suas viagens pelos locais dos antigos campos de refugiados na África do Sul, Tanzânia e Zâmbia, Durand constatou, nas conversas com os mais idosos, que "eles tinham boas lembranças dos poloneses, para muitos foi seu primeiro contato com brancos". E também do lado dos refugiados as memórias do relacionamento com a população local permaneceram positivas: "Eles eram jovens, esses encontros interculturais os marcaram, em sua humanidade." "Era uma convivência amigável", confirma a especialista em migração Julia Devlin. Até mesmo cultos religiosos eram celebrados em conjunto, em certos casos. Ela conhece bem os antecedentes da odisseia que levou cerca de 19 mil pessoas da Polônia até a África, por caminhos tortuosos. Tudo começou com o protocolo suplementar secreto do Pacto de Não Agressão de 24 de agosto de 1939, em que a Alemanha nazista e a União Soviética dividiam entre si, de fato, a Polônia e outros territórios da Europa Oriental. Apenas poucos dias mais tarde, ambas as potências invadiram a Polônia. Assim como os nazistas no oeste, também os soviéticos iniciaram as "limpezas étnicas" em sua parte do país ocupado. Centenas de milhares de poloneses, entre os quais numerosos judeus, foram deportados em quatro levas para a Sibéria e o Kazaquistão, onde a maioria teve que ir trabalhar em colcozes. Em 1941, contudo, o destino dos deportados mudou praticamente do dia para a noite: "Após a ofensiva alemã contra a União Soviética, os Aliados trouxeram os russos para seu lado, para combater Hitler", explica a historiadora Devlin. Em consequência, a Polônia estabeleceu contatos diplomáticos com Moscou e obteve a libertação de seus deportados. "A ideia do governo polonês era que essas pessoas formassem um exército para lutar do lado dos Aliados contra Hitler." Os voluntários foram convocados a se reunirem em Busuluk, no sul da URSS, para lá formar as tropas. Mas não se apresentaram apenas homens aptos ao serviço militar: na esperança de finalmente poder abandonar a União Soviética, deportados poloneses de todas as partes do país enfrentaram a penosa viagem. Como não era mais possível abastecer o exército cada vez mais volumoso, além dos civis de Busuluk, os Aliados decidiram levar os poloneses para fora da URSS, primeiramente para o Irã. Enquanto os homens receberam lá treinamento militar e pouco mais tarde partiram para a Itália, de início não estava claro o que se faria dos civis. "Nenhum país queria recebê-los por muito tempo", relata Julia Devlin. Por fim, o governo britânico dispôs-se a procurar alojamento em seus territórios coloniais e administrativos. Assim os ex-deportados foram enviados à Tanzânia, África do Sul, Zimbábue e outras partes da zona de influência do Reino Unido, onde estivessem a salvo do conflito mundial. Ao fim da Segunda Guerra, os responsáveis na África pressionaram para se livrar dos refugiados. "As nações africanas estavam a caminho da independência, e não queriam nenhuma relíquia que as lembrasse do domínio colonial." Pouco a pouco os poloneses deixaram os países anfitriões e imigraram para o Reino Unido, Austrália ou Canadá: "Para seu país, não podiam voltar, lá era território soviético." A avó de Jonathan Durand chegou em 1949 à Inglaterra, onde encontrou seu marido, um sobrevivente do campo de concentração de Majdanek. Em 1954, ambos emigraram para o Canadá. Ao lado das muitas pedras de mosaico históricas que o cineasta recolheu, uma vivência ao fim de suas pesquisas o impressionou em especial: no Instituto Polonês e Museu Sikorski, em Londres, ele encontrou as únicas filmagens do acampamento de refugiados na Tanzânia em que sua avó vivera. "Eu reconheci o hospital lá, e um grupo de meninas caminhando despreocupadas em direção da câmera. Bem à esquerda, sorrindo e de braços cruzados, estava a minha avó." Até hoje ele sente um arrepio ao ver as fotos: "Sinto como se fosse uma recompensa." _______________ A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter Autor: Martina Schwikowski (av)

Fonte: DW | dw-world.de

TAGS