PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Notebook com vírus é vendido como obra de arte por US$ 1,3 milhão

Trabalho é de um artista chinês e foi arrematado em leilão online em Nova York

15:51 | 29/05/2019
O computador foi arrematado em um leilão virtual
O computador foi arrematado em um leilão virtual(Foto: Reprodução/thepersistenceofchaos.com)

Para o artista chinês Guo O Dong, o notebook preto Samsung, carregado com seis poderosos vírus, representa uma das ameaças mais assustadoras que ele pode conceber. Nessa terça-feira, 28, sua criação, intitulada "A Persistência do Caos", sacudiu o mundo da arte ao ser arrematada por mais de US$ 1,3 milhão em um leilão online em Nova York.

Aparentemente, não há nada de especial neste laptop de 10 polegadas, equipado com um desatualizado sistema Windows XP. Mas sua memória carrega o equivalente no mundo da computação às doenças infecciosas mais letais: os vírus "I LOVE YOU", do ano 2000; "Sobig", de 2003; "MyDoom" (2004), "DarkTequila" (2013), "BlackEnergy" (2015), e o mais conhecido de todos, o "WannaCry", um software malicioso lançado dois anos atrás.

Trata-se de um símbolo poderoso da ameaça que um mero notebook pode representar para o mundo todo. Os seis cavalos de troia, worms e malwares que ele carrega causaram prejuízos de pelo menos US$ 95 bilhões ao redor do mundo, segundo Guo.

Guo é um artista da internet, "cujo trabalho critica a cultura moderna extremamente conectada", informou o site que realizou o leilão, organizado pelo grupo de cibersegurança Deep Instinct.

O computador, visto por streaming de vídeo, é inofensivo em sua apresentação para a venda - ligado, mas não conectado a qualquer rede ou à internet. O site responsável pelo leilão informou que é airgapped, ou seja, suas conexões sem-fio e de internet são feitas física e eletronicamente.

Mas ele vem com um alerta para que o comprador não ative seus programas patogênicos, o que seria possível desbloqueando sua conexão de hardware ou simplesmente usando um dispositivo USB.

O site reforça que a obra de arte é apenas para uso de pesquisa e que todos que fizeram lances afirmaram, em contrato, "não ter a intenção de disseminar qualquer malware".

Ao mesmo tempo, o site parece admitir que o comprador pode não ter dado atenção ao acordo. "Por favor, lembre-se de que estas são amostras ativas e perigosas de malware", reforçou. "Rodá-las de forma não restrita significa que você irá infectar a si e aos demais com malware malicioso e perigoso", acrescentou.

O comprador não foi identificado.

AFP