PUBLICIDADE
Mundo
NOTÍCIA

Áustria deve ter novas eleições em setembro, pleiteia presidente

00:05 | 20/05/2019
Van der Bellen assegura que escândalo eleitoral resultando na dissolução da coalizão de governo conservadora-ultradireitista "não reflete o que é a Áustria". Novo pleito deve ocorrer tão logo permita a Constituição.O presidente da Áustria, Alexander Van der Bellen, propôs neste domingo (19/05) a realização de eleições antecipadas no início de setembro, após a ruptura da coalizão de conservadores e ultranacionalistas que governa o país desde dezembro de 2017. "Dados os prazos estabelecidos pela Constituição, pleiteio eleições em setembro, se possível no início de setembro", declarou o chefe de Estado, em breve pronunciamento à imprensa na sede presidencial, junto ao chanceler federal Sebastian Kurz. O presidente e o chefe de governo tiveram antes uma reunião para tratar os próximos passos, após a grave crise gerada na sexta-feira pela divulgação de um vídeo comprometedor para o vice-chanceler federal e líder do ultradireitista Partido da Liberdade (FPÖ), Heinz-Christian Strache, que renunciou no sábado. Van der Bellen comentou que perdeu "a confiança em parte do governo", após reiterar sua visão de que o ocorrido "não reflete o que é a Áustria". Ele se referia ao terremoto político causado pelo conteúdo do vídeo, gravado com câmeras escondidas em julho de 2017 numa casa da ilha de Ibiza, na Espanha, onde Strache se mostra disposto a cometer atos de corrupção e traça passos concretos para controlar a imprensa nacional. Em sua declaração de renúncia, o líder extremista de direita de 49 anos admitiu ter estado num estado de "intoxicação alcoólica crescente", comportando-se "como um adolescente" na tentativa de "impressionar a atraente anfitriã". No entanto, negou ter violado a lei, dizendo-se vítima de uma armadilha para "assassinato político", com uso ilegal de equipamento de vigilância. O presidente austríaco confirmou que a retirada do vice-chanceler federal e do chefe da bancada parlamentar do FPÖ, Johann Gudenus, que também aparece no vídeo, "era necessária e imprescindível". "Agora é preciso fazer todo o possível para recuperar a confiança [...] tão rápido quanto permita a Constituição", completou o líder, lembrando que a Áustria, assim como os demais membros da União Europeia, está na reta final da campanha para as eleições europeias. "Temos ainda uma semana de campanha eleitoral ao Parlamento Europeu e depois meses de negociações intensas na UE, importantes para o futuro da União. Nesse período, a Áustria tem que estar em condições de atuar como sócio confiável na UE", ressaltou. Van der Bellen acrescentou que – após abordar com Kurz "diferentes possíveis cenários" de como continuará o governo na Áustria até a formação de um novo Executivo surgido das urnas – nos próximos dias fará consultas com os líderes dos demais partidos políticos. Por sua vez, Kurz, de 32 anos, expressou vontade de continuar sendo chefe de governo, e voltou a pedir a confiança do eleitorado. Os observadores políticos e a imprensa austríaca especulam a possibilidade de os atuais ministros do FPÖ, especialmente os titulares de Interior, Defesa e Justiça, serem substituídos por técnicos, no que já é o governo interino liderado por Kurz. AV/efe/rtr/afp/ap _______________ A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Fonte: DW | dw-world.de

TAGS