PUBLICIDADE
Mundo
Estados Unidos

Mulher desiste de doar para menina com câncer: "Descobri que ela é filha de lésbicas"

"Tentamos não ficar chateadas, mas foi difícil", disse uma das mães da criança de quase dois anos

11:35 | 04/05/2019
"Tentamos não ficar chateadas, mas foi difícil", disse uma das mães de Callie, de quase dois anos(Foto: Reprodução / Facebook )

Uma mulher teria desistido de fazer doação para o tratamento de uma menina, de quase dois anos, diagnosticada com câncer. Isso é o que denunciam as mães da criança, Tiffany e Albree Shaffer, que moram em Ohio, nos Estados Unidos. Elas relatam que haviam recebido mensagem de alguém sensibilizado com a história, mas que deixaria de doar US$ 7,6 mil (cerca de R$ 30 mil), após saber que a beneficiada seria filha de lésbicas.

As informações são da NBC News, segundo a qual diz que o casal foi informado no início do ano que a filha Callie estava com neuroblastoma avançado, um tipo de câncer que se desenvolve a partir de células nervosas imaturas. Uma semana depois, elas foram comunicadas de que o tratamento quimioterápico já precisaria ser iniciado.

Imediatamente, Lorrie Teate, irmã de Tiffany, criou uma campanha de arrecadação online para contribuir com os custos médicos do tratamento da doença. "Callie vai precisar de 18 meses de quimioterapia e radioterapia, precisará de um transplante de medula óssea e de uma cirurgia futura para remover o tumor assim que ele encolher", escreveu na plataforma GoFundMe. "O que eu estou pedindo é para você me ajudar a tirar o fardo financeiro dessas pessoas maravilhosas", suplicou.

Albree Shaffer disse que teve de parar de trabalhar em três empregos após o diagnóstico da filha. "Nós provavelmente teríamos que nos mudar sem o dinheiro da campanha, por causa do aluguel”, disse.

As mulheres, no entanto, relataram ainda que nem todas as pessoas reagiram de forma “generosa” à situação vivida por elas. Como foi o caso de Bren Marie, que teria enviado uma mensagem de cunho homofóbico depois de ver a campanha de arrecadação. Em um print (captura de tela), a mulher teria escrito: “Minhas orações por Callie. Eu ia doar $ 7.600, mas descobri que ela é filha de lésbicas”.

Em um post no Facebook, a mensagem foi exposta e ganhou repercussão. Pouco tempo depois, a mulher teria excluído ou mudado o nome na rede social, mas ainda chegou a acrescentar à família: “Desculpe, ainda vou rezar por ela (Callie), mas talvez seja a maneira de Deus de chamar sua atenção que ela precisa de uma mãe e um pai, não duas mamães”.

Tiffany e Albree revelaram que tinham ficado “chocadas e enojadas” com o comentário, porém não o responderam. "Tentamos não ficar chateadas, mas foi difícil. Eu não podia acreditar que ela nos procurou para nos dizer isso diretamente. Ela poderia simplesmente não ter doado e ignorado a página”, disse Albree.

Mesmo com o episódio, o casal avisou que pessoas disseram que iriam fazer doações como forma de recompensar o incidente ofensivo causado por Bren Marie.

O Povo