PUBLICIDADE
Notícias
ABUSOS SEXUAIS NO CLERO

Papa Francisco promete enfrentar abusos e acabar com acobertamento na Igreja

09:18 | 24/02/2019
Pope Francis waves as arrives for the weekly general audience on October 24, 2018 at St. Peter's square in the Vatican. (Photo by Vincenzo PINTO / AFP)
Pope Francis waves as arrives for the weekly general audience on October 24, 2018 at St. Peter's square in the Vatican. (Photo by Vincenzo PINTO / AFP)

O papa Francisco encerrou neste domingo, 24, uma cúpula extraordinária sobre a prevenção de abusos sexuais do clero, comprometendo-se a enfrentar os agressores com "a ira de Deus" e pôr fim ao acobertamento por parte de superiores, além de priorizar as vítimas deste "descarado, agressivo e destrutivo mal".

Francisco realizou as declarações ao fim de uma missa diante de 190 bispos e líderes religiosos convocados a Roma após a aparição de novos escândalos de abusos provocar uma crise de credibilidade na hierarquia católica e na própria liderança do pontífice.

O papa jesuíta destacou que a grande maioria dos abusos sexuais ocorre no seio da família e ofereceu uma visão global do problema social que inclui o turismo sexual e a pornografia na internet, em uma tentativa de contextualizar o que, segundo ele, foi um tema tabu. Mas esse tipo de agressões a menores são ainda mais escandalosas quando acontecem na Igreja Católica "porque é totalmente incompatível com sua autoridade moral e credibilidade ética", acrescentou.

"Temos que reconhecer com humildade e coragem que estamos cara a cara com o mistério do mal, que golpeia com mais violência os mais vulneráveis porque são uma imagem de Jesus", disse.

O líder da Igreja Católica reuniu bispos de todo o mundo na cúpula de quatro dias para lembrar-lhes que os abusos sexuais cometidos por sacerdotes e seu encobrimento não são um problema que afete apenas certos países, mas uma questão global que ameaça a missão da Igreja Católica. "Irmãos e irmãs, hoje nos encontramos ante uma manifestação de um descarado, agressivo e destrutivo mal", declarou.

O papa ofereceu um compromisso de futuro com oito pontos, pedindo mudança na mentalidade defensiva da Igreja e a promessa para não voltar a ocultar os casos. As vítimas, acrescentou, devem ocupar um lugar central enquanto os sacerdotes devem seguir um caminho contínuo de pureza no qual o "temor de Deus" guie o exame de suas próprias falhas. "Na ira justificada da gente, a Igreja vê o reflexo da ira de Deus, traído e insultado por essas pessoas consagradas desonestas", disse.

Fonte: Associated Press.

Agência Estado