PUBLICIDADE
Notícias

Homem termina doutorado em Portugal aos 85 anos

Uma das maiores felicidades para o doutor recém-formado é quando ele escuta de outras pessoas que se motivaram para estudar por conta do seu exemplo

16:00 | 21/07/2017
A imagem mostra Brasiliano Godinho de 85 anos no dia que apresentou sua tese de doutorado na Universidade de Aveiro
A imagem mostra Brasiliano Godinho de 85 anos no dia que apresentou sua tese de doutorado na Universidade de Aveiro

[FOTO1]

Um português de 85 anos concluiu no último dia 5 de julho o doutorado em Estudos Culturais e se tornou uma das pessoas a conquistar o título em idade mais avançada no mundo.

Brasiliano Godinho fez o curso de licenciatura de Línguas, Literaturas e Culturas, no período entre 2008 e 2012. Por ter terminado a licenciatura com a média 15 de 20, ele requisitou a possibilidade de realizar seu sonho de ir direto para o doutorado (sem nem mesmo passar pelo mestrado).

O reitor aceitou o pedido de Brasilino, por seu mérito e sua qualidade como estudante. Assim, ele se inscreveu no doutoramento desenvolvido em parceria pelas Universidades de Aveiro e do Minho. Quatro anos depois ele estava reunindo uma platéia composta por professores, colegas, familiares e amigos para defender a tese "Antero de Quental: um Patriotismo Prospectivo no Porvir de Portugal".

Brasiliano já tinha lido autores como Platão, Aristóteles e Kant aos 15 anos. "Com 15 anos de idade, li um tratado de filosofia tomista com uma lombada de 500 a 600 páginas. Isto foi uma temeridade", disse o senhor para o jornal português Diário de Notícias. Com 16 anos ele quis entrar na universidade, porém o avô recusou o pedido por conta das despesas. Por isso ele adiou o sonho.

O português diz que isso foi bom porque na época ele teria cursado Engenharia. Na época, ele entrou no mercado como projetista da construção civil e alguns anos mais tarde exerceu a profissão de topógrafo e engenheiro rodoviário. Por isso que em 2008, após a morte da mulher, ele decidiu que era hora de retomar os estudos e perseguir seu sonho.

Uma das maiores felicidade para o doutor recém formado é quando ele escuta de outras pessoas que se motivaram para estudar, seja lá qual for a idade, por conta do seu exemplo. "Acho que constituo um exemplo para a juventude e até para os adultos, sem vaidade. Estou a abrir perspectivas a muitas pessoas", disse Brasiliano.

 

TAGS