PUBLICIDADE
Mundo
ficou na história

Relembre as 20 notícias que chocaram o mundo em 2016

O impeachment de Dilma Rousseff, Jogos do Rio 2016, a morte de Umberto Eco e outras notícias que marcaram este ano; confira

10:39 | 31/12/2016

O ano de 2016 começou com uma grave crise econômica e política no Brasil. A primeira influenciou na segunda que acabou no processo de impeachment da agora ex-presidente Dilma Rousseff (Foto: Divulgação)
O ano de 2016 foi repleto de notícias marcantes, com a morte de grandes artistas, políticos e esportistas, a vitória do magnata republicano Donald Trump na Presidência dos Estados Unidos, a saída do Reino Unido da União Europeia, os terremotos que atingiram o centro da Itália e vários atentados terroristas.


Por isso para terminar o ano bem informado, relembre as 20 notícias mais marcantes de 2016: Morte de David Bowie - O ano de 2016 começou com a dramática e inesperada morte do cantor britânico David Bowie no dia 10 de janeiro devido a um câncer. O "Camaleão do Rock" faleceu apenas dois dias depois de ter completado 69 anos e de ter lançado o seu último álbum, "Blackstar".


A morte de um dos cantores mais famosos e amados do mundo foi, infelizmente, apenas a primeira que o mundo da música sofreu neste ano. Grandes músicos como Prince, Mauricio White, Naná Vasconcelos, Frank Sinatra Jr., Cauby Peixoto, Leonard Cohen e George Michael também deixaram os holofotes.


A morte de Umberto Eco

No dia 19 de fevereiro de 2016, morreu, aos 84 anos, Umberto Eco, grande escritor, semiólogo e filólogo italiano reconhecido em todo o mundo. O intelectual, que ganhou fama principalmente pelos livros "O Nome da Rosa" e "O Pêndulo de Focault", faleceu em sua casa, em Milão, depois de passar dias com sua saúde debilitada devido a um tumor maligno no pâncreas encontrado há cerca de 2 anos.


Eco não foi o único grande italiano que acabou morrendo neste ano. Junto a ele, partiram deste mundo grandes nomes, como o cineasta Ettore Scola, o ator Franco Citti, os políticos Marco Panella e Umberto Veronesi, o ex-presidente italiano Carlo Azeglio Ciampi, e o dramaturgo e escritor Dario Fo.

 

A vitória do Oscar por Leonardo DiCaprio

Até este ano, o ator norte-americano Leonardo DiCaprio era alvo de piadas e "memes" por nunca ter conseguido ganhar um Oscar mesmo tendo sido indicado várias vezes. No entanto, na cerimônia da premiação deste ano, que aconteceu na noite de 28 de fevereiro, o artista e ativista conseguiu levar para casa a estatueta de Melhor Ator pelo filme "O Regresso".


A premiação também contou com a vitória de "Spotlight: Segredos Revelados" como Melhor Filme, da atriz Brie Larson na categoria Melhor Atriz por seu papel em "O Quarto de Jack", do cineasta mexicano Alejandro Iñárritu como Melhor Diretor por "O Regresso" e do compositor italiano Ennio Morricone pela trilha-sonora de "Os 8 Odiados".

 

A morte de Muhammad Ali

 

Além dos falecimentos no mundo da música, o esporte também sofreu a perda de grandes ícones. Uma das mortes mais marcantes foi, sem dúvida, a do pugilista Muhammad Ali, um dos maiores boxeadores de todos os tempos. Aos 74 anos, o norte-americano faleceu após um grande tempo internado e após ser personagem de muitas notícias e polêmicas políticas, sociais e raciais.


A vitória do M5S em Roma

O ano de 2016 também foi o do crescimento político do Movimento 5 Estrelas (M5S) da Itália.

Com as eleições municipais de 5 de junho, grandes cidades, como Roma e Turim, tiveram suas prefeituras ocupadas por candidatos do partido.

No entanto, especificamente na capital italiana, a vitória de Virginia Raggi, a primeira mulher a comandar o município, gerou várias polêmicas envolvendo a desistência de Roma da candidatura aos Jogos Olímpicos de 2024 e a demissão de vários assessores da política.

A vitória de Portugal na Eurocopa 2016

 

No campeonato de 2016 da Eurocopa, a Itália do técnico Antonio Conte não conseguiu passar das quartas de final, resultado já esperado, mas, mesmo assim, decepcionante para os italianos. No entanto, no dia 10 de julho, Portugal venceu pela primeira vez uma Euro, deixando a França, país que estava sediando a competição, em segundo lugar.

A vitória do Brexit

No dia 23 de junho, os britânicos votaram para saber se o Reino Unido sairia ou não da União Europeia. A resposta positiva ao Brexit do referendo chocou todo o mundo e até mesmo alguns ingleses e escoceses que não acreditavam que o "sim" iria ganhar.

Com a decisão, o Reino Unido agora tem dois anos para dar início formalmente ao processo de saída do país do bloco. Para isso, a premier britânica, Theresa May, que assumiu o cargo após o ex-primeiro-ministro David Cameron ter renunciado, deverá acionar o artigo 50 do Tratado de Lisboa, o que deve acontecer a partir de março de 2017. O atentado de Nice - Na noite do dia 14 de julho, quando é comemorado o feriado nacional na França da queda da Bastilha, um jihadista abriu fogo contra a população que comemorava a data em Nice após ter atropelado parte da multidão com um caminhão em alta velocidade. O atentado matou 86 pessoas, causou centenas de feridos e foi reivindicado pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI, ex-Isis).   

O Impeachment de Dilma Rousseff

O ano de 2016 começou com uma grave crise econômica e política no Brasil. A primeira influenciou na segunda que acabou no processo de impeachment da agora ex-presidente Dilma Rousseff.   

No dia 31 de agosto, com 60 votos a favor, 20 contra e nenhuma abstenção, a ex-mandatária foi condenada pelo Senado Federal por ter violado as leis fiscais com as chamadas "pedaladas" e por ter emitido decretos de suplementação orçamentária sem autorização do Congresso.
   

Quem assumiu a Presidência foi Michel Temer, o vice na época. Em poucos meses de mandato, o político se envolveu com polêmicas, com a demissão de ministros e teve seu nome citado diversas vezes em citação de delação premiada de caso da construtora Odebrecht.  

Os Jogos do Rio 2016

Os primeiros Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016 na América Latina e no Brasil foram para comprovar lendas. Uma delas foi o corredor jamaicano Usain Bolt, o homem mais rápido do mundo, que levou o ouro nos 100m e nos 200m rasos, se tornando o único atleta tricampeão nas duas provas, e no revezamento 4x100m. Já o nadador norte-americano Michael Phelps participou de 5 provas do evento esportivo e conquistou 5 ouros e uma prata conseguindo o recorde de maior número de medalhas olímpicas da história: 28. Os Jogos também foram de "iniciantes" que ganharam medalhas e que ainda prometem nas próximas edições, como a ginasta Simone Biles, a nadadora Katie Ledecky, o canoísta Isaquias Queiroz, a corredora Elaine Thompson, o saltador de vara Thiago Braz, a dupla da vela Martine Grael e Kahena Kunze, a judoca Rafaela Silva e as equipes brasileiras masculinas de futebol e de vôlei.

Os terremotos no centro da Itália

Às 3h36 da madrugada do dia 24 de agosto deste ano, o centro da Itália foi atingido por um terremoto de 6 graus na escala Richter que causou a morte de quase 300 pessoas, dezenas de feridos, 40 mil desabrigados e estragos irreparáveis em milhares de construções principalmente nas cidades de Amatrice, Accumoli e Arquata del Tronto, nas regiões do Lazio e das Marcas. No dia 30 de outubro, outro grande terremoto, de 6,5 graus, atingiu áreas centrais da Itália causando muita destruição principalmente nas cidades de Castelsantangelo sul Nera, Preci e Norcia, que teve inclusive a basílica de San Benedetto completamente destruída. O tremor, que felizmente não causou vítimas fatais, foi sentido em todas as partes do país, até em Roma e Veneza.

A vitória do Nobel de Literatura por Bob Dylan

O ano 2016 também foi quando o músico norte-americano Bob Dylan foi escolhido para receber o prêmio Nobel de Literatura, que normalmente é entregue a escritores, mas que nesta edição foi dado ao compositor.

O reconhecimento da Academia Sueca ao cantor, "por ter criado novas expressões poéticas na grande tradição musical norte-americana", no entanto, gerou várias polêmicas. Apenas depois de um longo silêncio pela parte de Dylan, o músico enviou uma carta à academia dizendo que aceitava o prêmio, mas que não poderia comparecer à cerimônia de entrega, que aconteceu no dia 10 de dezembro.

A vitória de Donald Trump na Presidência dos EUA

 

Talvez uma das notícias mais chocantes do ano foi a vitória do magnata republicano Donald Trump à presidência dos Estados Unidos. O milionário venceu a democrata Hillary Clinton, que era vista como a favorita nas pesquisas, tanto no cartório eleitoral como no voto popular.

Como no ano passado, Trump foi responsável por algumas das frases mais polêmicas de 2016, criticando mulheres e deficientes, falando sobre a expulsão de árabes muçulmanos dos EUA e retomando a ideia da construção de um grande muro na fronteira do país com o México para acabar com a imigração ilegal.

 

O Jubileu chega ao fim e o Papa e permite o perdão ao aborto

 

No dia 20 de novembro o papa Francisco fechou a Porta Santa da Basílica de São Pedro e deu fim oficialmente ao Jubileu Extraordinário da Misericórdia, no qual pobres, imigrantes e excluídos foram exaltados.

Apenas em Roma, o Ano Santo contou com a presença de 20 milhões de pessoas. Um dia após o fim do Jubileu, o Pontífice anunciou que concedeu aos sacerdotes de todo o mundo a liberdade para perdoarem ou não mulheres que cometerem aborto e procurarem a Igreja Católica para se redimir.

A morte de Fidel Castro

 

De todas as mortes que marcaram 2016, talvez a mais importante foi a do ex-presidente cubano e líder guerrilheiro Fidel Castro, que faleceu no dia 25 de novembro aos 90 anos. O corpo do latino-americano foi cremado e levado em uma urna funerária em procissão até Santiago de Cuba, "a capital da revolução", onde foi enterrado no dia 4 de dezembro.

Conhecido como o "Comandante" pela população local, Fidel foi o mandatário de Cuba por quase 50 anos e se tornou o homem que mais desafiou os Estados Unidos. Além disso, nesse período, o líder levou o mundo à base de uma guerra nuclear e fez seu país ser alvo de um bloqueio econômico que perdura até hoje.

A vitória do "não" no referendo da Itália e a renúncia de Matteo Renzi

No dia 4 de dezembro deste ano, milhões de italianos foram às urnas votar o Referendo Constitucional encabeçado pelo, na época, primeiro-ministro do país, Matteo Renzi, e que tinha como objetivo diminuir os poderes do Senado e aumentar as competências de Roma em relação às 20 regiões italianas. No entanto, inesperadamente, o "não" venceu a consulta popular com 59,12% dos votos.

Com isso, Renzi anunciou sua renúncia, que já era prevista caso o referendo não fosse aprovado, e em seu lugar subiu ao poder o ex-chanceler italiano Paolo Gentiloni, que já afirmou que não cancelará as reformas feitas pelo seu antecessor.

O acidente com o avião da Chapecoense

Na manhã do dia 29 de novembro, os brasileiros acordaram com uma notícia dramática: o avião que levava a delegação da Chapecoense para a disputa do primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana havia caído em Medellín, na Colômbia. Das 77 pessoas que estavam à bordo da aeronave 71 pessoas morreram, sendo elas 19 jogadores, toda a comissão técnica e a maior parte dos dirigentes do time, mais 20 jornalistas e vários membros da tripulação.

Após 5 dias de espera, os cerca de 200 mil habitantes de Chapecó, em Santa Catarina, puderam homenagear os mortos em um velório coletivo na Arena Condá.

A Itália passa a Grécia e recebe o maior número de imigrantes

A Itália e a Grécia são as duas principais portas de entrada de imigrantes para a Europa, sendo que o segundo país costuma a receber a maior parcela desses deslocados. No entanto, em 2016, devido ao acordo entre União Europeia e Turquia e ao fechamento das rotas dos Bálcãs, a Itália, pela primeira vez desde 2014, ultrapassou a Grécia neste quesito, tendo recebido 177.529 pessoas contra 175.666 da nação grega até o dia 13 de dezembro deste ano, de acordo com relatório da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

 

A "libertação" de Aleppo

Após quatro anos de guerras, o governo sírio do ditador Bashar al-Assad e as forças armadas da Rússia e do Irã anunciaram que a cidade Aleppo foi reconquistada dos rebeldes. Segundo as Nações Unidas e outras dezenas de ONGs, a situação na cidade é de "carnificina" e de "crimes de guerra" onde os que mais sofrem são os civis.

A retomada de Aleppo aconteceu após a evacuação de cerca de 40 mil civis que estavam "presos" em suas residências - ou em moradia de conhecidos - com o aumento dos combates na cidade junto aos bombardeios aéreos russos.

O Atentado ao mercado de Natal de Berlim

Na noite do dia 19 de dezembro, um caminhão em alta velocidade começou a atropelar as pessoas que estava em um mercado de Natal na praça Breitscheidplatz, em Berlim, na Alemanha. O atentado resultou em 12 mortes e 48 feridos. O principal suspeito do ataque terrorista, o tunisiano Anis Amr, de 24 anos, conseguiu fugir do local ir para a Holanda, atravessar a França e chegar até a Itália. No país, onde entrou de trem na cidade Turim, o homem foi para Milão e a pé até Sesto San Giovanni, onde acabou sendo morto por dois policiais.

Agência Ansa