PUBLICIDADE
Notícias

França promete acabar com "Selva de Calais"

11:39 | 02/09/2016
Governo diz que 7 mill pessoas ainda vivem na "Selva"; ONGs falam em 10 milMinistro do Interior diz que migrantes que ainda vivem no acampamento improvisado serão evacuados em etapas. Próximo à entrada do Eurotúnel, local abriga milhares de requerentes de asilo. O ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, prometeu remover completamente o acampamento de migrantes na cidade de Calais conhecido como "A Selva". Em entrevista publicada nesta sexta-feira (02/09) no jornal Nord Littoral, o político disse que agirá com "a maior determinação" para fechar o local. Apesar de repetidas promessas de ministros franceses de evacuar o acampamento, ele ainda abriga em torno de 7 mil pessoas, segundo dados do governo. Organizações humanitárias e um dos sindicatos de policias da França dizem que o total de habitantes da "Selva" gira em torno de 10 mil, o que Cazeneuve nega. Próxima à entrada do Eurotúnel e ponto de partida de balsas para o Reino Unido, Calais se tornou um ímã para migrantes que pretendem chegar clandestinamente ao outro lado do Canal da Mancha. O acampamento improvisado abriga grande número de afegãos, somalis, sudaneses e curdos, além de requerentes de asilo de diversas outras nacionalidades. Pouco antes de visitar o local nesta sexta-feira, o ministro disse na entrevista que o acampamento será desmontado em etapas, ao mesmo tempo em que milhares de acomodações para os migrantes serão erguidas em outras regiões do país. Para o próximo ano, o ministro afirmou que a França planeja criar 5 mil novas acomodações de emergência para migrantes, além de enviar um reforço de duzentos policiais a Calais, que se somarão aos 1,9 mil que já fazem a vigilância nos arredores do Eurotúnel e do porto. "Desmontamos a parte sul [do acampamento] no início de março, e já começamos os trabalhos na parte norte", afirmou Cazeneuve ao Nord Littoral. Desde outubro, mais de 5 mil migrantes deixaram a cidade no norte da França com destino a 161 centros de acolhimentos em outras partes do país. Cazeneuve disse que o presidente francês, François Hollande, deverá visitar Calais em setembro. RC/afp/lusa
TAGS