PUBLICIDADE
Notícias

Protestos após ação policial na Carolina do Norte terminam com agentes e civis feridos

11:10 | 21/09/2016

Violentos confrontos entre policiais e manifestantes terminaram com vários feridos na noite de terça-feira em Charlotte, Carolina do Norte, depois que um afro-americano foi morto pela força de segurança, anunciaram as autoridades e a imprensa local nesta quarta-feira.

Doze policiais e um número indeterminado de manifestantes ficaram feridos, de acordo com as mesmas fontes. A calma parecia ter retornado à cidade na manhã desta quarta-feira e a rodovia federal 85, cenário dos incidentes, foi reaberta ao trânsito, informou o jornal Charlotte Observer.

Os manifestantes se reuniram no fim da noite de terça-feira em uma área de Charlotte, onde Keith Lamont Scott, de 43 anos, foi morto.  Eles exibiam cartazes com a frase "A vida dos negros importa" e gritavam "Sem justiça não há paz".

"Aproximadamente 12 oficiais feridos. Um oficial atingido no rosto com uma pedra", escreveu no Twitter o Departamento de Polícia de Charlotte-Mecklenberg.  Outra mensagem da polícia afirma que os agentes foram "feridos esta noite quando trabalhavam para proteger nossa comunidade durante uma manifestação". O canal WSOC-TV informou que a polícia mobilizou unidades antidistúrbio e utilizou gás lacrimogêneo para tentar dispersar a multidão, que, segundo as autoridades, atacou vários carros da polícia.

Um hipermercado Wal-Mart foi saqueado durante a noite. O agente responsável pela morte, Brentley Vinson, foi suspenso de suas funções e aguarda os resultados de uma investigação administrativa. Vinson integrava um grupo de agentes que tinha mandato para deter um suspeito. Keith Lamont Scott, que não era a pessoa procurada, estava dentro de um veículo em um estacionamento e, segundo a polícia, com uma arma de fogo.

A discussão entre o homem e os policiais ficou tensa e o agente, que disse ter se sentido ameaçado por Scott, abriu fogo e matou Scott. A família de Scott, no entanto, afirmou que a vítima não carregava nenhuma pistola, e sim um livro, quando foi morto. Uma de suas filhas afirmou que Scott Lamont estava esperando pelo filho.
A prefeita da cidade, Jennifer Roberts, pediu calma à população. "A comunidade merece respostas e acontecerá uma investigação profunda", escreveu no Twitter.
"Vou entrar em contato com os líderes da comunidade para trabalharmos juntos".
A tensão racial aumentou nos Estados Unidos nos últimos dois anos por uma sucessão de abusos e atos de violência da polícia, que terminaram com a morte de homens negros, desarmados na maioria dos casos.
Na terça-feira, a justiça americana abriu uma investigação depois que um afro-americano desarmado foi morto na sexta-feira por uma policial branca em Oklahoma, um episódio gravado pelas câmeras de um carro e um helicóptero da polícia.
Na gravação é possível observar nitidamente que o homem, Terence Crutcher, com várias armas de policiais apontadas contra ele, seguir para seu veículo com as mãos para o alto. Crutcher, ofendido por um policial que estava no helicóptero, parece aproximar as mãos do veículo e neste momento é atingido por um tiro. O crime foi o mais recente de uma longa série, que tem mobilizado a comunidade negra e provocado manifestações em várias cidades dos Estados Unidos desde 2014.

AFP

 

TAGS