PUBLICIDADE
Notícias

Maior pérola do mundo encontrada nas Filipinas

13:45 | 24/08/2016
Pérola de 34 quilos passou uma década escondida em baixo da cama do pescador que a encontrouPescador de origem humilde manteve a preciosidade de 34 quilos escondida debaixo da cama durante uma década, sem saber que poderia valer milhões de dólares. Autoridades aguardam a avaliação de especialistas. Um pescador das Filipinas encontrou aquela que pode ser a maior pérola já vista em todo o mundo e durante uma década a manteve debaixo de sua cama, informaram as autoridades locais na segunda-feira (22/08). Cynthia Amurao, chefe do departamento de Turismo da capital de província, Puerto Princesa, que também é tia do pescador, disse que a gema de 34 quilos foi encontrada dentro de uma concha gigante que ficou presa na âncora do barco, enquanto ele aguardava a passagem de uma tempestade. Sem saber que ela poderia valer milhões de dólares, o homem de origem humilde guardou a pérola de 30 x 60 centímetros, que considerava um amuleto da sorte, em sua cabana de palha na ilha de Palawan, sob sua cama de madeira. Em julho, ao se mudar para um novo endereço, o pescador levou a preciosidade para sua tia, pedindo que a escondesse. "Fiquei boquiaberta quando a vi, simplesmente em cima da mesa de jantar", disse Amurao. "Eu disse a ele que não fazia sentido escondê-la, se não sabíamos quanto valia, por que não a expúnhamos ao público?" O pescador é membro do reduzido grupo etnolinguístico dos cuyonon, que habita as ilhotas ao largo de Palawan, a maior ilha do sudoeste filipino, rodeada pelo Mar da China Meridional e pelo Mar de Sulu. Com o consentimento do pescador, a pérola foi colocada em exposição na prefeitura da capital regional Puerto Princesa, e o governo postou imagens dela em sua página do Facebook. As autoridades locais esperam que gemologistas visitem a cidade para avaliar a qualidade e o valor da pérola. Até hoje, a maior gema do gênero conhecida era a chamada "Pérola de Alá", ou "Pérola de Lao Tsu", de 14 quilos, também encontrada no mar próximo a Palawan nos anos 1930, avaliada por especialistas em dezenas de milhões de dólares. RC/afp/ots
TAGS