PUBLICIDADE
Notícias

Farc declaram cessar-fogo unilateral por tempo indeterminado

07:53 | 18/12/2014
Guerrilha assegura que só fará uso de armas em caso de ataque do Exército da Colômbia. Anúncio força governo colombiano a respoder à altura, mas presidente Juan Manuel Santos segue cético com pedido de trégua. As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) anunciaram um cessar-fogo unilateral por tempo indefinido. O anúncio foi feito na capital cubana, Havana, e publicado na conta do Twitter da guerrilha nesta quinta-feira (18/12). As Farc asseguraram que só vão fazer uso de armas em caso de ataque do Exército colombiano. No comunicado, a guerrilha explicou querer "acabar com o derramamento desnecessário de sangue e reconciliar o país". O anúncio do cessar-fogo veio horas depois da histórica declaração de retomada das relações diplomáticas entre Estados Unidos e Cuba que foi bastante comemorada e elogiada pelos integrantes da delegação de paz das Farc (vídeo anexado no Twitter abaixo). O anúncio pelo terceiro ano consecutivo os rebeldes esquerdistas declaram um cessar-fogo na época natalina também foi motivado pelas recentes negociações de paz, retomadas com o governo da Colômbia, após a captura de um general do exército, em 16 de novembro, solto duas semanas depois. Desde 2012 representantes da guerrilha e do governo colombiano realizam conversações em Havana para solucionar o conflito. Há 50 anos uma guerra civil assola a Colômbia e já matou mais de 220.000 pessoas. As negociações conseguiram, até então, acordos sobre a reforma agrária, a luta contra o tráfico de drogas que tem alimentado o conflito e sobre a participação política de guerrilheiros. Com cerca de 8 mil combatentes, as Farc são o maior grupo rebelde ativo no país. Repetidamente os rebeldes apelaram por um cessar-fogo bilateral como parte do processo de paz. Mas o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, que fez das negociações de paz o seu principal objetivo político, recusou o pedido, alegando que os guerrilheiros poderiam tirar proveito de uma trégua para se reagrupar e reestruturar. No entanto, o anúncio unilateral das Farc coloca nova pressão sobre o governo colombiano, opinou o cientista político Jorge Restrepo, chefe do Centro de Recursos de Análise de Conflitos na Colômbia (Cerac). "Isso obriga o governo a responder a este gesto de uma forma ou de outra", afirmou. PV/afp/ap/epd
TAGS