PUBLICIDADE
Notícias

Afeganistão quer banir imagens "degradantes" de mulheres na publicidade

Desde a queda dos talibãs em 2001, proliferaram anúncios publicitários ou na televisão para promover telefones celulares, entre outros objetos, e muitos mostram mulheres jovens para atrair os consumidores

10:23 | 03/11/2014

O governo do Afeganistão lançou uma campanha contra o uso de modelos femininos na publicidade, alegando que alguns anúncios "degradantes" aumentam a imoralidade entre os jovens do país muçulmano e religiosamente conservador.

Desde a queda dos talibãs em 2001, proliferaram anúncios publicitários ou na televisão para promover telefones celulares, entre outros objetos, e muitos mostram mulheres jovens para atrair os consumidores.

Mas o governo afegão informou que os modelos femininos não poderão ser utilizados com fins comerciais.

"As publicidades nas quais as mulheres são utilizadas como decoração, e como meio para ganhar dinheiro (...) degradam as mulheres afegãs", afirma um comunicado do ministério do Interior.

"Pedimos a todos os meios de comunicação que evitem divulgar as publicidades que promovem a destruição cultural, expandem a imoralidade e conduzem os espíritos de nossos jovens para a imoralidade", afirma o comunicado.

No período dos talibãs, entre 1996 e 2001, o Afeganistão ficou afastado de qualquer influência ocidental. As mulheres não tinham o direito de sair de casa sem a burca, uma vestimenta que cobre totalmente o rosto e o corpo.

O novo presidente afegão, Ashraf Ghani, que assumiu o poder em 29 de setembro, se comprometeu a melhorar a situação das mulheres no país, uma sociedade que continua sendo claramente patriarcal.

AFP

TAGS