PUBLICIDADE
Notícias

Soldados africanos trocaram ajuda humanitária por sexo, na Somália

Esta força da União Africana conta com 22.000 soldados de seis nações e luta contra os insurgentes islamitas shebab, vinculados à Al-Qaeda

07:38 | 08/09/2014

Soldados da força da União Africana na Somália (Amisom), financiada, entre outros doadores internacionais, pela ONU, estupraram e trocaram ajuda humanitária por sexo em suas bases em Mogadíscio, denunciou nesta segunda-feira, 8, em um relatório a ONG Human Rights Watch (HRW).

"Os soldados da União Africana, servindo-se de intermediários somalis, utilizaram uma variedade de táticas, como ajuda humanitária, para obrigar mulheres e crianças vulneráveis a atividades sexuais", detalhou a HRW.

Segundo o relatório, "também estupraram e agrediram sexualmente mulheres que foram buscar ajuda médica ou água nas bases da Amisom".

"Algumas das mulheres estupradas disseram que os soldados deram comida e dinheiro depois em uma tentativa aparente de fazer o abuso se passar por uma transação sexual", segundo a mesma fonte.

A Amisom não reagiu até agora a estas acusações.

Esta força da União Africana conta com 22.000 soldados de seis nações (Uganda, Burundi, Quênia, Etiópia, Djibuti, Serra Leoa) e desde 2007 luta junto às tropas governamentais contra os insurgentes islamitas shebab, vinculados à Al-Qaeda.

Além da ONU, a União Europeia, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha são doadores da Amisom, entre outros.

As mulheres vítimas destes abusos se dirigiram a duas bases da Amisom em Mogadíscio depois de ter fugido, em sua maioria, da fome que em 2011 devastou as zonas rurais do país.

O relatório da HRW se baseia no testemunho de 21 mulheres e meninas, que disseram ter sido estupradas ou sofrido abusos sexuais por parte de soldados de Uganda ou Burundi desde 2013.

A menor delas, de 12 anos, indicou ter sido estuprada por um soldado ugandês.

O documento também cita o caso de uma mulher e uma adolescente de 15 anos, que foram respectivamente buscar comida e medicamentos em uma das bases, e que foram entregues aos soldados por meio de um intérprete somali.

A primeira aceitou manter relações sexuais e a segunda foi estuprada. Cada uma recebeu depois 10 dólares.

Estes fatos "provocam uma grande preocupação sobre os abusos de soldados da Amisom a mulheres e crianças e sugerem que existe um problema muito maior", alertou a HRW.

A ONG também interrogou outras 30 pessoas, entre observadores estrangeiros, soldados e autoridades dos países membros da Amisom.

AFP

TAGS