PUBLICIDADE
Notícias

Israel prende suspeitos de assassinar jovem palestino

13:00 | 06/07/2014
Autoridades de Israel prenderam neste domingo diversos judeus suspeitos de assassinar o jovem palestino Mohammed Abu Khdeir, de 16 anos, o que desencadeou protestos violentos nas regiões árabes de Jerusalém e no norte do país nos últimos dias.

Em comunicado conjunto, a polícia e a agência de segurança Shin Bet disseram que os suspeitos estão sendo interrogados, mas não informaram o número total de presos. Uma fonte com conhecimento do assunto afirmou que foram efetuadas seis prisões relacionadas com o caso.

Abu Khdeir foi sequestrado em frente de casa, na zona leste de Jerusalém, na última quarta-feira (02), e seu corpo carbonizado foi encontrado depois em um bosque da cidade. Palestinos imediatamente acusaram extremistas judeus pelo assassinato, que seria uma vingança pela morte de três jovens israelenses em Hebron dias antes.

A polícia tem investigado diversos motivos para a morte de Abu Khdeir, incluindo roubo ou crime passional, mas autoridades disseram neste domingo que acreditam agora em razões nacionalísticas para o assassinato. Os suspeitos presos neste domingo foram descritos como homens jovens, alguns menores de idade, de Jerusalém e das cidades de Beit Shemesh e Adam.

As autoridades também localizaram um carro utilizado pelos suspeitos e recolheram imagens de câmeras de segurança que mostrariam parte da ação dos jovens, mas que não ajudaram muito nas investigações.

A morte de Abu Khdeir desencadeou protestos violentos no leste de Jerusalém, com os manifestantes depredando estações de trem, bloqueando ruas e entrando em confronto com a polícia. A confusão se espalhou para outras áreas de maioria árabe no norte de Israel neste fim de semana.

"Eu não tenho nenhuma alegria no meu coração, mesmo com a prisão desses suspeitos. Eles vão no máximo ser interrogados e depois libertados", comentou Suha, mão do jovem palestino. "Eles precisam tratá-los da forma como nós somos tratados. Eles deveriam demolir suas casas e cercá-los, como fazem com nossas crianças", acrescentou. Fonte: Dow Jones Newswires.

TAGS