PUBLICIDADE
Notícias

Índia: mulheres fazem protesto contra violência sexual

12:10 | 02/06/2014
Polícia da Índia dispersa manifestação pelo fim da violência contra a mulher

A polícia usou canhões de água para dispersar centenas de mulheres que protestavam nesta segunda-feira contra o aumento da violência sexual no norte do estado indiano onde duas adolescentes foram estupradas e mortas na semana passada.

Em Lucknow, os manifestantes protestavam do lado de fora do escritório do ministro-chefe do estado de Uttar Pradesh, Akhilesh Yadav, exigindo que ele reprima os casos de estupros e os ataques contra mulheres e meninas.

Centenas de policiais, incluindo policiais mulheres, entraram em confronto com os manifestantes antes de começar a dispersá-los com canhões de água. Os manifestantes também exigiram que o governo iniba a indiferença das autoridades, que, segundo os ativistas, encoraja ataques contra mulheres.

A polícia não tomou qualquer atitude quando o pai de uma das garotas relatou às autoridades que as duas primas estavam desaparecidas. Dois policiais foram demitidos por abandono do dever, depois de as meninas terem sido encontradas mortas.

O pai da outra menina disse que a polícia demorou mais de 12 horas para responder ao pedido para resgatar as meninas. Ele disse que se a polícia agisse prontamente, elas poderiam ter sido salvas.

Yadav recomendou uma investigação federal, mas seu governo tem sido amplamente acusado de uma abordagem indiferente para com a segurança das mulheres.

A Índia tem uma longa história de tolerância com a violência sexual, mas o ataque contra as meninas causou indignação em todo o país. Ativistas alegam que nada mudou desde dezembro de 2012, quando ocorreu o fatal estupro coletivo de uma mulher de 23 anos a bordo de um ônibus em Nova Délhi, capital da Índia.

O parlamento aprovou uma lei que dobra para 20 anos as penas de prisão para os violadores e que passa a criminalizar o voyeurismo, a perseguição e o tráfico de mulheres. A lei também penaliza os oficiais de polícia que se recusam a registrar ocorrências relativas a esses casos. Fonte: Associated Press.

TAGS