PUBLICIDADE
Notícias

40 trabalhadores indianos são sequestrados no Iraque

11:05 | 18/06/2014
Quarenta cidadãos indianos que trabalham para uma empresa de construção turca, nas proximidades da cidade iraquiana de Mosul foram sequestrados, informou o Ministério de Relações Exteriores da Índia nesta quarta-feira.

O porta-voz do Ministério, Syed Akbaruddin, disse que não houve contato com os sequestradores e não foi feito qualquer pedido de resgate. Na última semana, militantes tomaram Mosul e grande parte do norte iraquiano em seu avanço para a capital, Bagdá.

Não estava claro quando os trabalhadores indianos foram sequestrados. Akbaruddin disse que a maioria deles é de Estados do norte da Índia e que trabalham para a empresa turca Tariq Noor al-Huda no Iraque.

Parentes dos sequestrados que moram na cidade de Amritsar, Estado de Punjag, disseram ter recebido ligações telefônicas de alguns dos trabalhadores no sábado, cinco dias depois da tomada de Mosul.

Gurprender Kaur disse que seu irmão disse a ela que os trabalhadores estavam sozinhos, com problemas e precisavam de ajuda. Ela não forneceu mais detalhes sobre a ligação recebida no domingo ou disse se foi a última vez que falou com o irmão.

Outra mulher chorou e apertou uma fotografia de família quando conversou com jornalistas indianos sobre seu filho desaparecido. "Nossos filhos estão em perigo. Nós os queremos de volta em segurança", disse Ranjeet Kaur à televisão da agência de notícias NNIS. "Queremos que o governo nos ajude."

Existem cerca de 10 mil cidadãos indianos trabalhando e vivendo no Iraque, mas apenas cerca de 100 estão em áreas violentas e inseguras, afirmou Akbaruddin, o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores. Dentre eles há 46 enfermeiros que trabalham num hospital da cidade iraquiana de Tikrit, mas Akbaruddin disse que organizações humanitárias têm estado em contato com eles e que estão todos bem.

A Índia enviou um graduado diplomata a Bagdá nesta quarta-feira e pretende trazer alguns cidadãos de volta na sexta-feira. O governo também abriu uma linha direta para receber ligações telefônicas de famílias preocupadas com seus parentes no Iraque. Até a tarde desta quarta-feira já havia recebido 60 ligações.

Nesta quarta-feira, o primeiro-ministro iraquiano Nouri al-Maliki disse que tropas do Iraque iniciaram uma contraofensiva depois de os combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) terem cercado a maior refinaria de petróleo do país. Fonte: Associated Press.

TAGS