PUBLICIDADE
Notícias

Venezuela denunciará na ONU e OEA "interferência americana na crise política''

Desde fevereiro, a Venezuela é cenário de protestos contra o governo. Há um mês o governo e a oposição iniciaram um diálogo de pacificação, que foi suspenso após divergências

14:06 | 18/05/2014
A Venezuela denunciará na ONU e OEA, assim como nos organismos regionais Unsaul e Celac, a "ingerência" dos Estados Unidos e suas "ameaças" de sanções ante a crise política no país, afirmou o chanceler Elías Jaua. "O presidente Nicolás Maduro me deu instruções: vamos fazer uma denúncia formal nas Nações Unidas pela violação da carta das Nações Unidas", disse Jaua em uma entrevista ao canal Televen.

Desde fevereiro, a Venezuela é cenário de protestos contra o governo, que deixaram 42 mortos e 800 feridos. Há um mês o governo e a oposição iniciaram um diálogo de pacificação, que foi suspenso após divergências entre as duas partes. O chanceler explicou que a denúncia será apresentada na Organização dos Estados Americanos (OEA), na Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) e na União de Nações Sul-Americanas (Unasul), que participa como testemunha de boa-fé nos diálogos de paz com os ministros do Brasil, Colômbia e Equador.

Jaua indicou que durante a reunião de chanceleres da Unasul, na próxima semana no Equador, apresentará formalmente "todo um expediente das declarações de ingerência dos porta-vozes (dos EUA), começando pelo presidente (Barack) Obama, o secretário (de Estado John) Kerry e outros porta-vozes nos assuntos internos da Venezuela". Também serão incluídas "as ameaças permanentes de aplicar sanções" a Venezuela.

"Já basta que o governo dos Estados Unidos assuma uma competência que corresponde aos organismos multilaterais", criticou o chanceler. Nas últimas semanas, o governo dos Estados Unidos deixou aberta a possibilidade de sanções contra funcionários do governo venezuelano envolvidos em abusos contra manifestantes, no caso de interrupção do diálogo entre o governo e o setor moderado da coalizão opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD).

As manifestações contra a elevada inflação - 60% ao ano -, a escassez de alimentos e a violência criminal provocaram 42 mortes.

AFP

TAGS