PUBLICIDADE
Notícias

Abbas e Hamas fazem nova tentativa de reconciliação

12:40 | 23/04/2014
Os grupos rivais Hamas e Fatah fizeram uma nova tentativa nesta quarta-feira de superar a divisão política dos palestinos, afirmando que tentarão formar um governo de unidade interino dentro de cinco semanas, seguido por eleições gerais previstas para dezembro. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro Ismail Haniyeh, chefe do governo do Hamas em Gaza, e por Azzam al-Ahmed, da Fatah, enviado do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas. Acordos similares foram feitos no passado, mas nunca implementados.

Qualquer acordo entre Abbas e o grupo militante islâmico Hamas pode complicar ainda mais os esforços de mediação dos Estados Unidos nas discussões de paz entre Israel e os palestinos. Israel e o Ocidente consideram o Hamas uma organização terrorista, em parte porque o grupo promoveu bombardeios e disparos que mataram centenas de israelenses nas últimas duas décadas.

Mais cedo, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, acusou Abbas de sabotar os esforços de paz ao buscar uma reaproximação com o Hamas. Netanyahu and Abbas precisam chegar a um acordo de paz ou a um acerto para estender o prazo até a próxima terça-feira. Um acordo completo está fora do alcance atualmente, e os dois lados seguem distanciados sobre os termos de um esticamento do prazo.

O Hamas tomou Gaza de Abbas em 2007, deixando-o apenas com partes da Cisjordânia. Ambos os lados ficaram entrincheirados em seus próprios territórios, estabelecendo os respectivos governos e as respectivas forças de segurança. Abbas enviou uma delegação a Gaza esta semana para conversas reconciliatórias com o Hamas.

Em entrevista coletiva concedida ao lado de al-Ahmed, Haniyeh disse que os dois lados concordaram "em um calendário para acabar com a divisão". Segundo ele, Abbas irá agora começar consultas sobre a formação de um governo interino dentro de cinco semanas. Eleições presidenciais e parlamentares devem ser realizadas pelo menos seis meses depois da formação do governo. Fonte: Associated Press.

TAGS