PUBLICIDADE
Notícias

Putin bate recorde de popularidade com crise na Ucrânia

Constataram nesta terça-feira, 11, os principais institutos de pesquisa russos

11:27 | 11/03/2014
NULL
NULL

O presidente russo Vladimir Putin bateu seu recorde de popularidade desde a sua reeleição à presidência russa em maio de 2012, principalmente graças a sua intervenção na Ucrânia, constataram nesta terça-feira, 11, os principais institutos de pesquisa russos.

Mais de dois russos em cada três (69% dos entrevistados, 9% a mais do que em fevereiro 2013) dizem que aprovam a política de Vladimir Putin, de acordo com um estudo realizado no final de fevereiro pelo Centro Levada (independente) com 1.603 pessoas em 45 regiões russas.

Apenas trinta por cento dos russos (contra 35% há um ano) desaprovam a atividade de seu presidente, de acordo com a pesquisa publicada no site do Centro.

Já o instituto VTsIOM, próximo do poder, vê a popularidade de Putin em 68%, e revela, ao mesmo tempo, que 53% dos entrevistados consideram a crise ucraniana a "principal notícia atual".

"A popularidade de Putin, que se aproxima da registrada em maio de 2012, data da sua reeleição para o seu terceiro mandato como presidente, ainda pode aumentar, visto que a ofensiva do Kremlin na Ucrânia deve continuar", acredita o sociólogo Alexei Levinson, do centro Levada.

"Putin explora com sucesso os hábitos do paternalismo, os russos têm confiança na sua interpretação dos acontecimentos na Rússia e no exterior", explicou à AFP.

A imagem do caos ucraniano apresentada pela imprensa pró-governamental russa, "defende a estabilidade à la Putin", considera o analista político Yevgeny Minchenko, entrevistado pelo jornal Vedomosti.
No início de março, o Kremlin passou para a ofensiva contra as novas autoridades ucranianas, que Moscou não reconhece sua legitimidade, e ocupou a Crimeia, território autônomo pró-russo pertencente à Ucrânia desde 1954.

A popularidade de Vladimir Putin, ex-agente da KGB, de 61 anos, poucas vezes atingiu um nível abaixo de 60% desde que chegou ao poder em 2000.

AFP

TAGS