PUBLICIDADE
Notícias

Chefão da máfia russa é assassinado em Moscou

15:32 | 16/01/2013
Um dos principais chefões da máfia na Rússia foi morto a tiros no centro de Moscou nesta quarta-feira, disse a polícia, em um evento que lembrou os sangrentos anos 1990 no país, quando as gangues russas e chechenas assolavam as ruas das grandes cidades. Um franco-atirador não identificado matou Aslan Usoyan, de 75 anos e conhecido como "vovô Hassan", com apenas um disparo, aparentemente feito por um rifle de assalto da era soviética, disseram os investigadores.

A polícia russa abriu uma investigação sobre o assassinato. A vítima não morreu imediatamente, mas no hospital, para onde foi levada por uma ambulância, já gravemente ferida.A polícia russa disse que encontrou cinco cartuchos de balas disparadas nas escadas de serviço entre o quinto e o sexto andar de um prédio que fica na rua onde "vovô Hassan" foi baleado. A rua, curiosamente, é a mesma onde fica a Suprema Corte da Rússia no centro de Moscou.

"Vovô Hassan", um curdo étnico, nasceu em 1937 em Tbilisi, capital da Georgia, na era soviética. Ele era conhecido, já a partir da década de 1950, com membro da elite criminal que existia no submundo russo na era soviética, quando os mafiosos viviam na clandestinidade e eram reconhecidos por suas numerosas tatuagens e código estrito de silêncio.

Usoyan foi condenado pela primeira vez aos 19 anos, disseram as autoridades. Mesmo após os 70 anos, o chefão se mantinha ativo, disse a polícia. Ele era suspeito de ter ordenado a morte de vários rivais após o assassinato de seu aliado Vyacheslav Ianvkov, conhecido como "Yaponchik" em 2009. Usoyan sobreviveu a várias tentativas de assassinato, a mais recente das quais ocorreu em 2010, quando foi baleado por um franco-atirador em uma avenida moscovita mas sobreviveu.

Com o fim da União Soviética em 1991, "vovô Hassan" e sua máfia passaram a traficar heroína e armas da Ásia central para a Rússia e o Ocidente. A partir de 2006, Usoyan entrou em guerra contra a máfia georgiana, comandada por Tariel Oniani, também natural de Tbilisi.

Alexander Khinshtein, vice-chefe do Comitê de segurança no Parlamento russo, disse hoje após a morte de "vovô Hassan" que a violência e a criminalidade voltaram a crescer no país. "A situação piorando no país com a expansão do crime organizado. Com o assassinato de vovô Hassan, ficará pior ainda", disse Khinshtein ao diário Kommersant.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

TAGS