Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Sarampo e Influenza: posto de saúde Guiomar Arruda tem sábado movimentado em "Dia D" da campanha de vacinação

Estavam disponíveis vacinas contra influenza e sarampo, além de vacinas de rotina para crianças e adolescentes. Imunizantes contra a Covid-19 tiveram alta demanda

Neste sábado, 30, o posto de saúde Guiomar Arruda, no bairro Pirambu, esteve movimentado, e as pessoas compareceram ao local em busca das diversas vacinas que estavam sendo ofertadas. No “Dia D” da campanha de vacinação nacional contra Influenza e Sarampo, foram disponibilizados imunizantes contra as doenças e vacinas de rotina para crianças e adolescentes. Também houve vacinação contra a Covid-19.

Ângela Rios, coordenadora da unidade de saúde, destacou que a procura pela vacinação ao longo do dia esteve “muito boa”. Vacinas contra influenza e sarampo foram as mais buscadas, mas ela afirmou ter ficado surpresa com a procura pela vacinação contra a Covid-19. “A demanda está altíssima, principalmente (para as) crianças. Até me surpreendeu”, afirmou.

Os filhos e a sobrinha da dona de casa Francisca Liliane, 32, fazem parte desses dois casos. A caçula, Luna Blenda, de 3 anos, foi levada pela mãe para receber as vacinas contra sarampo e influenza. Já os dois filhos mais velhos, Laydiane, 11, e Francisco Willien Berg, 7, foram tomar a primeira dose da vacina contra a Covid-19, enquanto a prima, Riane Nunes, 12, estava na fila para receber a segunda dose.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Os irmãos Luna Blenda, 3, Laydiane, 11, e Francisco Willien Berg, 7, foram tomar vacina no posto de saúde Guiomar Arruda, no bairro Pirambu
Foto: Fernanda Barros / O POVO
Os irmãos Luna Blenda, 3, Laydiane, 11, e Francisco Willien Berg, 7, foram tomar vacina no posto de saúde Guiomar Arruda, no bairro Pirambu

Além dos pequenos, Liliane também buscou o posto de saúde para tomar a terceira dose da vacina contra a Covid-19. Ela reforça o cuidado que tem com a saúde e com a vacinação de todos. “(Veio) todo mundo, a família todinha logo para poder proteger a casa todinha. Meu marido também já tomou até a terceira (dose)”, conta.

Com a pandemia de Covid-19, Ângela Rios aponta que houve casos de famílias que tiveram medo de levar as crianças para tomar vacina nas unidades de saúde, o que levou ao atraso na caderneta de vacinação. Com isso, ela destaca a importância de ações como o “Dia D” para atualizar a vacinação delas. “Colocando em dia, evitamos mais doenças e até a questão da procura à unidade. A campanha é primordial”, reforça.

A costureira Rayane Sales, de 27 anos, levou os quatro filhos para receber as vacinas disponíveis. Moradora dos arredores do Pirambu, Rayane vai frequentemente ao Guiomar Arruda. O seu filho mais novo, Abraão, de nove meses, nasceu com uma cardiopatia e esteve internado no Hospital do Coração pelos primeiros meses de vida.

A costureira Rayane Sales, 27, levou os quatro filhos para receberem as vacinas disponíveis no posto de saúde
Foto: Fernanda Barros / O POVO
A costureira Rayane Sales, 27, levou os quatro filhos para receberem as vacinas disponíveis no posto de saúde

A campanha foi uma oportunidade para colocar em dia as vacinas atrasadas por conta da hospitalização. “Precisa prevenir, né?”, afirmou a mãe. “As vacinas dele tão sempre fora de época porque ele esteve internado, então todo mês eu venho aqui.” Rayane também aproveitou a campanha para vacinar suas duas filhas de nove anos, que ainda não haviam sido protegidas contra o papilomavírus humano, o HPV.

Ricardo Costa, de 59 anos, levou as duas filhas, Ana Sophia e Esther Thays, de nove e quatro anos, respectivamente, para tomarem a vacina contra o sarampo. “É pela saúde das crianças. A gente tem que trazer pra se preservar, porque hoje em dia tá cheio de vírus espalhado por aí. Desde pequenas, a gente sempre traz pra se vacinar,” disse Costa.

De acordo com ele, agentes de saúde também atuam pela comunidade local, avisando sobre campanhas de vacinação e incentivando pais e responsáveis a imunizar seus filhos.

Ricardo Costa, 59, e Roberta Souza, 39, levaram as filhas, Ana Sophia, 9, e Esther Thays, 4, para tomarem a vacina contra o sarampo
Foto: Fernanda Barros / O POVO
Ricardo Costa, 59, e Roberta Souza, 39, levaram as filhas, Ana Sophia, 9, e Esther Thays, 4, para tomarem a vacina contra o sarampo

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) deve divulgar na segunda-feira, 2, o total de vacinas aplicadas neste dia de campanha. Segundo dados do Ministério da Saúde (MS), até a última sexta-feira, 29, mais de 330 mil idosos e trabalhadores da saúde haviam sido vacinados contra a gripe. Atualizada anualmente, a vacina contra a influenza aplicada neste ano protege contra a Influenza B e contra a H3N2 — cepa responsável pelo aumento dos casos no início deste ano — e a H1N1.

Além das crianças maiores de 6 meses e menores de 5 anos de idade, no “Dia D” também estavam sendo atendidos idosos, a partir dos 60 anos, e profissionais de saúde para receberem as vacinas contra sarampo e influenza. Também havia vacinas de rotina — como tríplice viral, Hepatite B e HPV — disponíveis para crianças e adolescentes.

Na próxima segunda-feira, 2, terá início a segunda etapa da campanha de vacinação nacional contra a Influenza e o Sarampo para 14 grupos. Ela continuará até 3 de junho. Mesmo na segunda etapa, idosos e trabalhadores da saúde ainda não vacinados devem buscar os postos de vacinação.

Confira os grupos que serão atendidos na segunda etapa da campanha de vacinação nacional contra Influenza e Sarampo:

  • Crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias) – vacinação contra a gripe e o sarampo;
  • Gestantes e puérperas;
  • Povos indígenas;
  • Professores;
  • Pessoas com deficiência permanente; Pessoas com comorbidades;
  • Forças de segurança e salvamento e Forças Armadas;
  • Caminhoneiros e trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso;
  • Trabalhadores portuários;
  • Funcionários do sistema prisional;
  • Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas;
  • População privada de liberdade.

(Colaborou Camila Garcia)

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar