Participamos do

Campanha do TJ-CE contra violência doméstica ganha tela dos cinemas em Fortaleza

Vídeo institucional gravado pelo cantor e sanfoneiro Waldonys alerta sobre os tipos de violência doméstica e faz um apelo para que as vítimas denunciem eventuais agressões
22:32 | Mar. 21, 2022
Autor Luciano Cesário
Foto do autor
Luciano Cesário Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

No mês dedicado à mulher, a luta contra a violência doméstica e familiar ganhou as telonas, em Fortaleza. Desde o dia 7 de março, espectadores que vão às salas de cinema do Shopping Benfica são alertados, por meio de um vídeo institucional, sobre as principais formas de violência de gênero e os canais que devem ser acionados para denúncia. A peça, com cerca de 30 segundos de duração, é exibida antes do início de todas as sessões do dia.

A campanha, batizada de “Cole essa ideia”, é uma iniciativa do Tribunal de Justiça do Ceará (TJ-CE) e faz parte das atividades do projeto “Justiça Pela Mulher”, ação permanente que tem como objetivo sensibilizar a sociedade cearense sobre o combate à violência doméstica e familiar. Além das salas de cinema, o conteúdo audiovisual também será reproduzido com legenda nos totens e TVs internas do mesmo shopping.

A mensagem foi gravada pelo cantor e sanfoneiro Waldonys, escolhido como embaixador da campanha. No vídeo, o músico explica que há diferentes tipos de violência doméstica, como a física, psicológica, sexual e patrimonial. Ele também faz um apelo para que as vítimas procurem os canais de atendimento nos primeiros sinais de agressão. “A denúncia pode ser anônima. Todos podem denunciar, não só a vítima. Ligue grátis 180 ou 190”, alerta.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Nesta segunda-feira, 21, a presidente do TJ-CE, desembargadora Maria Nailde Pinheiro, visitou as salas de cinema do Shopping Benfica para acompanhar a exibição do vídeo. Antes do início das sessões, a magistrada explicou detalhes da campanha aos espectadores e destacou que além de julgar agressores, a Justiça também cumpre o papel de amparar as vítimas.

“A mulher que sofreu ou que sofre violência encontra mãos amigas na nossa instituição. Este é um momento muito importante porque aqui nós estamos a dizer à sociedade cearense que as mulheres não podem se isolar no momento de dor ou de ameaça”, afirmou Nailde.

A desembargadora também ressaltou que, embora muitas mulheres ainda não se sintam encorajadas a denunciar seus agressores, essa é a única forma de a Justiça intervir no caso e romper o ciclo da violência. “A mulher precisa levar ao Poder Judiciário o conhecimento dessa violência, porque somente assim ela estará preservando a sua própria vida e, muitas vezes, evitando maiores problemas para a sua família”, enfatizou.

A titular do Juizado da Violência Doméstica e Familiar de Fortaleza, Rosa Mendonça, que também acompanhou a exibição da peça, pontuou que a campanha tem frentes centrais: o encorajamento das mulheres vítimas de violência para que denunciem as agressões sofridas e a divulgação dos equipamentos da rede de assistência especializada que atua no atendimento das ocorrências dessa natureza.

“Nós estamos mostrando às mulheres que estão vivendo uma situação de violência que elas não estão sozinhas, que o Poder Judiciário está aqui para ampará-las, para fazer cumprir a Lei. Nossa intenção é mostrar que há toda uma rede de atendimento que presta assistência a ela exatamente para que não se sinta solitária e seja encorajada a denunciar a violência”, explicou a juíza.

O empresário João Soares, fundador do Shopping Benfica, lembrou que o empreendimento se associa a campanhas contra a violência doméstica há mais de dez anos. Para ele, além de reprimir as agressões, é dever da sociedade reconhecer o protagonismo exercido pela mulher em várias áreas. “Esperamos que as pessoas entendam a importância do papel da mulher, porque além de ser a maioria entre a população, elas estão ocupando cada vez mais posições de destaque”, refletiu.

Veja o vídeo da campanha

Violência contra a mulher - o que é e como denunciar?

A violência doméstica e familiar constitui uma das formas de violação dos direitos humanos em todo o mundo. No Brasil, a Lei 11.340, conhecida como Lei Maria da Penha, caracteriza e enquadra na lei cinco tipos de violência contra a mulher: física, psicológica, moral, sexual e patrimonial.

Entenda as violências:

Violência física: espancamento, tortura, lesões com objetos cortantes ou perfurantes ou atirar objetos, sacudir ou apertar os braços.

Psicológica: ameaças, humilhação, isolamento (proibição de estudar ou falar com amigos).

Sexual: obrigar a mulher a fazer atos sexuais, forçar matrimônio, gravidez ou prostituição, estupro.

Patrimonial: deixar de pagar pensão alimentícia, controlar o dinheiro, estelionato.

Moral: críticas mentirosas, expor a vida íntima, rebaixar a mulher por meio de xingamentos sobre sua índole, desvalorizar a vítima pelo seu modo de se vestir.

A Lei 13.104/15 enquadrou a Lei do Feminícidio - o assassinato de mulheres apenas pelo fato dela ser uma mulher. O feminicídio é, por muitas vezes, o triste final de um ciclo de violência sofrido por uma mulher - por isso, as violências devem ser denunciadas logo quando ocorrem. A lei considera que há razões de condição de sexo feminino quando o crime envolve violência doméstica e familiar ou menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

Veja como buscar ajuda:

Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180

Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza (DDM-FOR)
Rua Teles de Souza, s/n - Couto Fernandes
Contatos: (85) 3108 2950 / 3108 2952

Delegacia de Defesa da Mulher de Caucaia (DDM-C)
Rua Porcina Leite, 113 - Parque Soledade
Contato: (85) 3101 7926

Delegacia de Defesa da Mulher de Maracanaú (DDM-M)
Rua Padre José Holanda do Vale, 1961 (Altos) - Piratininga
Contato: 3371 7835

Delegacia de Defesa da Mulher de Pacatuba (DDM-PAC)
Rua Marginal Nordeste, 836 - Jereissati III
Contatos: 3384 5820 / 3384 4203

Delegacia de Defesa da Mulher do Crato (DDM-CR)
Rua Coronel Secundo, 216 - Pimenta
Contato: (88) 3102 1250

Delegacia de Defesa da Mulher de Icó (DDM-ICÓ)
Rua Padre José Alves de Macêdo, 963 - Loteamento José Barreto
Contato: (88) 3561 5551

Delegacia de Defesa da Mulher de Iguatu (DDM-I)
Rua Monsenhor Coelho, s/n - Centro
Contato: (88) 3581 9454

Delegacia de Defesa da Mulher de Juazeiro do Norte (DDM-JN)
Rua Joaquim Mansinho, s/n - Santa Teresa
Contato: (88) 3102 1102

Delegacia de Defesa da Mulher de Sobral (DDM-S)
Av. Lúcia Sabóia, 358 - Centro
Contato: (88) 3677 4282

Delegacia de Defesa da Mulher de Quixadá (DDM-Q)
Rua Jesus Maria José, 2255 - Jardim dos Monólitos
Contato: (88) 3412 8082

Casa da Mulher Brasileira

A Casa da Mulher Brasileira é referência no Ceará no apoio e assistência social, psicológica, jurídica e econômica às mulheres em situação de violência. Gerida pelo Estado, o equipamento acolhe e oferece novas perspectivas a mulheres em situação de violência por meio de suporte humanizado, com foco na capacitação profissional e no empoderamento feminino.

Telefones para informações e denúncias:

Recepção: (85) 3108 2992 / 3108 2931 – Plantão 24h
Delegacia de Defesa da Mulher: (85) 3108 2950 – Plantão 24h, sete dias por semana
Centro Estadual de Referência e Apoio à Mulher: (85) 3108 2966 - segunda a quinta, das 8 às 17 horas
Defensoria Pública: (85) 3108 2986 - segunda a sexta, das 8 às 17 horas
Ministério Público: (85) 3108 2940 / 3108 2941, segunda a sexta, das 8 às 16 horas
Juizado: (85) 3108 2971 – segunda a sexta, das 8 às 17 horas

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags