Participamos do

Abrigo em Fortaleza é investigado por homicídios, tortura e maus-tratos contra idosos

Justiça determina a prisão preventiva da proprietária, manda fechar o abrigo e autoriza busca e apreensão onde idosos viveriam em situação degradante de vulnerabilidade
13:29 | Nov. 25, 2021
Autor Demitri Túlio
Foto do autor
Demitri Túlio Repórter investigativo
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Uma “casa dos horrores”. A definição é do promotor de Justiça Alexandre Alcântara sobre o abrigo privado Espaço de Bem-Estar Socorro Oliveira, situado no bairro Monte Castelo, em Fortaleza. “Até assassinatos”, afirma o promotor, teriam ocorrido no interior da instituição. Pelo menos dois homicídios por omissão. Por ordem judicial, a residência de acolhimento será fechada por tempo indeterminado e a proprietária, de iniciais B. O. S., está presa preventivamente por suspeita de uma série de crimes contra os seres humanos internados lá.

Além de supostos homicídios que teriam sido praticados contra dois idosos, a responsável pelo abrigo terá de responder por espancamentos, tortura, apropriação indébita de cartões de crédito, violência medicamentosa, violência psicológica, injúria preconceituosa e maus-tratos de toda ordem contra pessoas idosas e deficientes físicos assistidos, na velhice, pelo Espaço Bem-Estar.

Alexandre Alcântara, titular da 1ª Promotoria de Justiça e Defesa do Idoso e da Pessoa com Deficiência, e as delegada Rena Gomes e Jeovânia Cavalcante Holanda — da Delegacia de Proteção ao Idoso e à Pessoa com Deficiência —, convenceram à juíza Maria Ilna Lima que B.O.S. não poderia ficar solta. Sob risco de ameaçar testemunhas e internos do abrigo. Na sentença, a magistrada mandou prender a proprietária do abrigo e autorizou a busca e apreensão de elementos para perícia e comprovação dos crimes apontados pelo Ministério Público e Polícia Civil.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Conheça aqui os detalhes da crueldade praticada contra as idosas no abrigo (para assinantes).

O POVO tenta contato com algum representante do abrigo, pelo telefone que se encontra na fachada do estabelecimento. As ligações recebem a mensagem que que o número não está recebendo ligações. O telefone não tem função WhatsApp.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags