PUBLICIDADE
Fortaleza
Noticia

Em comemoração ao Dia de Proteção às Florestas, jovens plantam ipês-amarelos

A ação é o começo de um projeto de educação ambiental a ser implementado no Cuca Mondubim, com monitoramento de 88 voluntários

Catalina Leite
16:25 | 17/07/2021
Momento da plantação de ipês-amarelos no Cuca Mondubim. (Foto: Bárbara Moira/ O POVO)
Momento da plantação de ipês-amarelos no Cuca Mondubim. (Foto: Bárbara Moira/ O POVO)

Enquanto duas pessoas seguravam o caule do Ipê-amarelo, outras duas derrubavam o adubo para sustentar a planta na terra. Ao lado delas, várias mudas aguardavam o plantio na manhã deste sábado, 17 de julho, Dia de Proteção às Florestas, no Cuca Mondubim. 

Aproveitando a data comemorativa, o Centro Urbano de Cultura, Arte, Ciência e Esporte (Cuca) promoveu o plantio de mais de dez mudas de Ipê-amarelo em uma alameda do equipamento.

A ação foi o primeiro passo para a instalação de uma estufa de produção de mudas, que objetiva promover a educação ambiental no Cuca Mondubim - projeto monitorado por 88 voluntários do Cuca Ambiental. Entre eles, Emely Barbosa, de 19 anos, graduanda em Economia Ecológica pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

LEIA TAMBÉM | Ipê-amarelo é escolhido como a Árvore Símbolo de Fortaleza

“É uma forma de nós, a juventude, nos encontrarmos e nos identificarmos. Pelo Cuca Ambiental, a gente pode juntar toda nossa multidisciplinaridade e focar em um só objetivo: salvar o meio ambiente”, defende.

Emely Barbosa, de 19 anos, graduanda em Economia Ecológica pela Universidade Federal do Ceará (UFC).
Emely Barbosa, de 19 anos, graduanda em Economia Ecológica pela Universidade Federal do Ceará (UFC). (Foto: Bárbara Moira/ O POVO)

Para o secretário da Coordenadoria Especial de Políticas Públicas de Juventude (CEPPJ), Davi Gomes, o envolvimento dos jovens em atividades de cunho ambiental garante que as pautas socioambientais ganhem força. “A gente não consegue construir nada sem pensar no futuro do meio ambiente e a juventude é a que vai, de fato, fazer que o mundo se transforme”, comenta.

O projeto foi realizado pela CEPPJ em parceria com a Secretaria Municipal do Urbanismo e Meio Ambiente e Urbanismo (Seuma).

Momento da plantação de ipês-amarelos no Cuca Mondubim.
Momento da plantação de ipês-amarelos no Cuca Mondubim. (Foto: Bárbara Moira/ O POVO)

Pautas ambientais em voga

Em 2021, o mundo se depara com novos desafios voltados para o meio ambiente. A partir deste ano, os governos começam a trabalhar a Década do Oceano e a Década da Reconstrução dos Ecossistemas. Em Fortaleza, as dunas, os manguezais e as áreas de restinga devem ganhar atenção especial até 2030.

O POVO + | Especial Ecossistemas de Fortaleza

Mas além da reconstrução, surge o desafio de garantir o crescimento urbano de maneira sustentável. Não é fácil, reflete a secretária da Seuma, Luciana Lobo: “Nesse sentido, nós acreditamos que recuperar recurso hídrico, aumentar arborização e evitar a degradação dos ambientes que estão protegidos é importante para que tenhamos um desenvolvimento urbano em harmonia com o meio ambiente.”

Secretária da Secretaria Municipal do Urbanismo e Meio Ambiente e Urbanismo (Seuma), Luciana Lobo.
Secretária da Secretaria Municipal do Urbanismo e Meio Ambiente e Urbanismo (Seuma), Luciana Lobo. (Foto: Bárbara Moira/ O POVO)

Assim, a plantação dos ipês-amarelos entra no escopo da arborização da cidade. Também chamado de Caraúba (Tabebuia aurea), o ipê é uma espécie nativa do Ceará, com porte de médio a alto e alcançando alturas de cinco a 20 metros. Pela característica das raízes e a beleza das flores amareladas, que florescem nos meses de setembro e outubro, a árvore tem forte viés paisagístico.

Pelo projeto Árvore na minha Calçada, os fortalezenses podem adotar uma árvore com a Prefeitura de Fortaleza e plantá-la nos arredores de suas casas. Os interessados devem entrar em contato e se cadastrarem por meio do Canal da Seuma.

Telefone: (85) 3452 6910
E-mail: [email protected]
Outras informações disponíveis no site do projeto