PUBLICIDADE
Fortaleza
Noticia

Grupo de SP abordava motoristas em veículos para roubar relógios de luxo

Segundo a Polícia, esse tipo de tipo de abordagem praticada pelo bando oriundo de São Paulo não era comum no Ceará

Júlia Duarte
15:42 | 10/06/2021
Polícia prendeu seis pessoas envolvidas nos roubos de relógios de luxo  (Foto: Angélica Feitosa/ O POVO)
Polícia prendeu seis pessoas envolvidas nos roubos de relógios de luxo (Foto: Angélica Feitosa/ O POVO)

Seis integrantes de um grupo criminoso de São Paulo foram presos suspeitos de participarem de assaltos especializados em relógios de luxo. Os suspeitos foram encontrados entre terça, 8, e quarta-feira, 9, em Fortaleza e em Canindé, após investigações da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE).

O grupo é oriundo do município de Taboão da Sessa, em São Paulo, e os integrantes são investigados por pelo menos três ações registradas em Fortaleza. A especialidade da quadrilha era roubar motoristas em seus veículos e levar apenas relógios de luxo da marca Rolex e Hublot, avaliados em até R$ 80 mil. Segundo a Polícia, ação era feita com a aproximação de parte do grupo em motocicletas aos carros, para evitar que as vítimas reagissem, o que facilitava a subtração dos bens.

Outra parte do grupo se dividia entre parar o trânsito, dar cobertura e esperar a fuga. "Um parava na frente do sinal de trânsito. Ele, como uma pessoa comum, ficava procrastinando no sinal, atrasando os veículos", pontou o titular da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), Rommel Kerth. Em uma ocasião, segundo imagens de segurança, um dos suspeitos disfarçados chega a conversar com a vítima após o assalto para evitar que o motorista perseguisse o outro suspeito que levou o relógio dele. Em seguida, o assaltante deixava o relógio e a arma com outra parte do grupo e trocava de roupa, para mudar as características em uma nova possível abordagem.  

LEIA MAIS: Polícia captura quadrilha especializada em roubo de relógios de luxo

Alerta na Polícia

A Polícia ressaltou que esse tipo de tipo de abordagem praticada pelo bando não era comum no Ceará. "Esses eventos causaram um alerta na nossa delegacia por ser um fato novo, uma situação até então desconhecida. Os assaltos ocorreram duas vezes no trânsito e o terceiro logo após a vítima descer do veículo", ressaltou o delegado. 

O delegado explica que o ponto em comum nas três ações praticadas pelo grupo é que todas as vítimas estavam em carros de luxo importados, da marca Land Rover. Elas eram avistadas pelo grupo e perseguidas por suspeitos disfarçados de operários ou entregadores. Ao todo, foram subtraídos três relógios, com avaliação, em estado usado, de R$ 80 mil, R$ 60 mil e R$ 40 mil. Os valores em loja podem chegar a R$ 100 mil.

As vítimas também portavam grandes quantidades em espécie, o que também chamou a atenção da Polícia. "O suspeito não quis levar a carteira ou celular ou anel, nem um outro objeto de valor, apesar desses objetos existirem. Fez questão apenas apenas do relógio", pontuou o delegado. O grupo também conseguia identificar se os carros eram blindados e mudava a abordagem para conseguir realizar o assalto. Por isso, em uma das ações, a vítima foi abordada na porta do local de trabalho.

Suspeitos

A Polícia identificou que um dos suspeitos presos, Edson Moreira de Souza, 31, já morou em Icó, no Interior do Ceará, e seria o responsável por articular a ação do grupo no Estado. Ele foi preso na madrugada da quarta-feira, 9, juntamente com Danilo Moreira Oliveira, 25, Ezequiel dos Santos, 35, e Rodrigo Pereira dos Reis, 29.

Os quatro homens estavam em fuga para São Paulo, após a prisão de dois comparsas, na terça-feira, 8. Na data, Vanderson dos Santos, 26, e Emerson Moreira de Souza, 28, foram capturados na avenida Mister Hull. A dupla confessou ser especialista em roubo de relógios de luxo e que tinha voltado do sudeste após vender os relógios.

A Polícia Civil apura o envolvimento do grupo em ocorrências similares em Brasília, no Distrito Federal. Todos os capturados já tinham antecedentes por outros crimes em outros estados.

Com informações da repórter Angélica Feitosa