PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Projeto Beira-Rio: requalificação da Barra do Ceará visa atrair fortalezenses e turistas fora do Ceará

O projeto vem de gestões municipais anteriores e se une ao Vila do Mar, no qual intervenções estruturais e sociais foram realizadas nos bairros Pirambu, Cristo Redentor e Barra do Ceará

14:03 | 12/08/2020
O Projeto Beira-Rio, como foi intitulado, contempla a requalificação de toda a margem do Rio Ceará (Foto: Divulgação/Prefeitura de Fortaleza)
O Projeto Beira-Rio, como foi intitulado, contempla a requalificação de toda a margem do Rio Ceará (Foto: Divulgação/Prefeitura de Fortaleza)

Na última terça-feira, 11, a Prefeitura de Fortaleza iniciou as intervenções do Projeto Beira Rio. A obra trará melhorias em todo o entorno da orla da Barra do Ceará e seguirá por 12 meses, contando a partir de agosto de 2020. São cerca de 33 mil m² de área a serem contemplados com a requalificação que inclui, além da rua José Roberto Sales, as avenidas José Lima Verde e Ulisses Guimarães.

Estão inclusas na obra a implementação de quadras de areia, pavimentação, projetos paisagísticos e quiosques. Além de bicicletários, vagas de estacionamento e a revitalização da Praça Santiago, conhecida como o Marco Zero de Fortaleza. O Projeto totaliza ordem de R$ 7,8 milhões e foi escolhido para reforma através do projeto Você Faz Fortaleza, no qual foram distribuídos totens onde a população selecionou espaços a serem requalificados. A Barra do Ceará foi a segunda mais votada.

A obra, que passou por duas gestões municipais desde 1997, não tinha intervenções desde 2013. Segundo a titular da Secretaria Municipal da Infraestrutura (Seinf), Manuela Nogueira, o projeto foi discutido na época da concepção com a comunidade local. Os processos de indenização também vêm de outras gestões e seguem em andamento junto à Regional I através da Secretaria do Desenvolvimento Habitacional (Habitafor). Manuela explica que os moradores que mantêm comércio na região terão quiosques implementados. Os cadastros estão a cargo da Regional I.

O empresário Alberto de Souza mora na região há mais de 50 anos. Herança familiar, o restaurante que construiu permanecerá no local devido a um tombamento, mas sua casa antiga será desapropriada. "É uma coisa que você construiu com muito carinho. Dá uma emoção", diz. Ele foi indenizado e segue pela procura de um novo lar.

Apesar da saudade, para Alberto a obra é uma expectativa da quebra da estigmatização da Barra do Ceará e será boa para o turismo local - e para a sua renda. "É uma obra cheia de expectativa. Essa urbanização já era para ter acontecido. Era um desejo da população, para tirar um estigma da Barra do Ceará. Aqui são 50 anos de história", comemora.

A titular da Seinf destaca que a Barra do Ceará já foi ponto turístico no passado, mas os estigmas da violência perpassaram pela região e ainda persistem. "Existe um conceito que foi colocado dentro da sociedade que lá é um local não bem-visto para pessoas que não são da comunidade. Então a obra vem para atingir a comunidade", diz.

A ideia da requalificação é de atrair novos negócios e trazer para passeios não só a população fortalezense, mas o turista de fora do Estado. "Queremos que as pessoas que têm a curiosidade de sair de seus bairros como Bom Jardim, Jacarecanga, para caminhar pela Beira-Mar, também façam isso, no ano que vem, no Beira-Rio", aponta.

O Beira-Rio se une ao Vila do Mar, projeto de intervenções estruturais e sociais nos bairros Pirambu, Cristo Redentor e Barra do Ceará. Orçado em R$ 126 milhões, a urbanização da área consistiu em melhorias de requalificação do espaço e obras de residenciais e também perpassou diferentes gestões municipais. Como o cronograma estabelece o período de 12 meses para implementação, a Prefeitura espera entregar ainda uma parte este ano.