PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Cão se recusa a sair de agência bancária em Fortaleza por causa do ar-condicionado

Caso inusitado ocorreu na tarde desta quarta, 11, em agência bancária da Caixa Econômica, localizada na avenida Dom Luiz, no bairro Varjota, em Fortaleza

Neto Ribeiro
22:25 | 11/03/2020
O cãozinho tem pouco menos de dois anos de idade e pesa mais de 45 quilos.
O cãozinho tem pouco menos de dois anos de idade e pesa mais de 45 quilos. (Foto: Divulgação / Saulo Tavares )

Quem mora em Fortaleza já deve ter percebido que a sensação térmica na Capital está elevada nos últimos dias, apesar de algumas pancadas de chuva que banharam vários pontos da Cidade. Com esse clima convidativo para o banho de mar, mas nada atraente para diversas atividades do cotidiano, toda oportunidade para pegar uma sombra ou entrar em um estabelecimento refrigerado é valorizada e não desperdiçada. Essa postura, além dos humanos, é também observada em animais, como o cachorro Zeca, que se recusou a sair de uma agência bancária em Fortaleza, nesta quarta-feira, 11, por causa do ar-condicionado.

Os termômetros da Capital marcavam temperatura máxima de 31º no fim da tarde, quando o bancário aposentado Valdo Sombra, de 58 anos, levou Zeca, cão da raça Golden Retriever de 1 ano e 8 meses, para passear. Durante o lazer rotineiro, os dois passavam por uma agência da Caixa Econômica, localizada na avenida Dom Luiz, no bairro Varjota, onde o homem iria resolver assuntos pessoais. Zeca - que gosta de ambientes refrigerados -, quis entrar, mas no momento de ir embora, ele não quis mais sair.

"Uma funcionária permitiu que entrássemos juntos na agência e depois que resolvi minhas coisas, o Zequinha não quis sair. Chamei ele, puxei a coleira, mas nada de ele querer deixar o friozinho do local", disse Valdo.

Segundo informou o cuidador de Zeca, a ação durou aproximadamente 40 minutos e aconteceu próximo ao horário de fechamento da agência bancária. Clientes e funcionários que estavam presentes no estabelecimento fizeram carinho e brincaram com o animal, além de terem registrado o ocorrido. Apesar das iniciativas, nada fazia o cão querer deixar o ambiente. 

Na tentativa de convencer Zeca a abandonar o clima refrigerado do local, Valdo tentou brincar com o animal, dizendo que ia embora. Ao ver que seu dono havia saído da agência, o animal ia até a porta do estabelecimento com a coleira na boca para conferir, mas quando via que Valdo estava escondido, ele retornava ao lugar em que estava anteriormente.

"Ele é muito brincalhão. Eu dizia para ele que a agência ia fechar, mas nada de ele querer sair. Fiquei pensando o que eu iria fazer para retirá-lo de lá. Ele é muito pesado. Não tenho força, nem coluna, para colocá-lo no braço. Ainda bem que deu certo", declarou o aposentado.

Em uma das tentativas de convencimento, Zeca foi até a porta do banco novamente com a coleira na boca, mas, dessa vez, Valdo contou com a ajuda de um homem que estava no lugar. Ele pegou a coleira do cão e o trouxe à área externa do estabelecimento, terminando a peleja. "Depois que o Zeca saiu do ar-condicionado, até tentou voltar, mas não permitimos", afirmou o homem.

Como alguns estabelecimentos não permitem a entrada de animais, a postura do cãozinho não foi constatada anteriormente, entretanto, Zeca tem preferência por espaços arejados, até mesmo em casa. "Quando ele está aqui (em casa) fica na frente do ventilador 'tomando nosso vento', mas é só meu filho ligar o ar-condicionado do quarto dele que o Zequinha vai junto", brincou o dono do animal.

"Ele gosta muito de lugares frios porque é muito peludo. Quando queremos sair de manhã, ele não gosta e não quer ir junto. O Zequinha é muito inteligente", finalizou.