PUBLICIDADE
Fortaleza
Noticia

Falta vacina pentavalente em todo o Ceará

Última remessa foi enviada pelo governo federal em outubro de 2019. Calendário vacinal inclui três doses que devem ser tomadas aos 2, 4 e 6 meses

00:00 | 06/01/2020
NO POSTO Carlos Ribeiro, na Jacarecanga, Taline e Lizion Morais com a pequena Thayla Jasmin: preocupação diante da falta de vacina
NO POSTO Carlos Ribeiro, na Jacarecanga, Taline e Lizion Morais com a pequena Thayla Jasmin: preocupação diante da falta de vacina (Foto: Beatriz Boblitz)

A vacina pentavalente, que protege contra cinco doenças bacterianas - meningite, tétano, difteria, coqueluche e hepatite B - está em falta em postos de saúde de todo o Ceará. Segundo a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), o repasse, que é realizado mensalmente pelo Ministério da Saúde (MS), sofreu uma interrupção e a última remessa, com cerca de 31 mil doses, foi recebida em outubro do ano passado. Atualmente, todo o Brasil enfrenta a falta da vacina.

O POVO entrou em contato com quatro postos de saúde na Capital - dois na Barra do Ceará, um no Vila Velha e outro no Pirambu  - e em nenhum havia doses da pentavalente.

No posto de saúde Carlos Ribeiro, no Jacarecanga, na tarde desta segunda, 6, três famílias saíram da sala de imunização com o cartão de vacinas incompleto. Thayla Jasmim, 10 meses, voltou para casa protegida contra a poliomielite e a meningite. A terceira dose da pentavalente, que é administrada aos 6 meses, no entanto, continuou pendente. "Chega a dar uma tristeza. E a gente fica sem saber o que fazer porque pra tudo depende do posto de saúde", diz Taline Moraes da Cruz, 18.

E teve gente que veio de mais longe e não conseguiu a vacina. Silvana Paiva, 38, saiu de Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza, em busca de atualizar o cartão de vacina de Gabriele, de apenas 2 meses. Seria essa a idade que o Ministério da Saúde define para aplicar a primeira dose da penta. "É ridículo porque a gente vem de ônibus com duas crianças (levou a filha mais velha, Isabely, de 10 anos). São 33 quilômetros de distância de casa até aqui. Já vim porque no posto de saúde perto lá de casa estava em falta", reclama.

Jéssica de Oliveira, 28, foi ao posto e saiu sem atualizar completamente o cartão da filha Jade, de 6 meses. Faltou a última dose da pentavalente. "Tenho medo de ela ter alguma doença porque não completou o ciclo de vacina", explica.

A preocupação é pertinente. Renato Kfouri, presidente do Departamento Científico de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), afirma que nenhuma das doenças que podem ser prevenidas pela vacina está erradicada do Brasil e a maioria delas é causada por bactéria. "A coqueluche e a difteria não aparecem casos no País há alguns anos, mas é um risco", alerta. A imunização é aplicada em três doses, ao dois, quatro e seis meses de vida.

Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que distribuiu mais de 4,7 milhões de doses da vacina pentavalente aos estados em 2019. Para o Ceará, foram enviadas 198.629 doses. Uma nova remessa aguarda parecer da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) para posterior liberação da Anvisa. "Tão logo essas doses sejam liberadas para uso, serão distribuídas aos Estados. A previsão é iniciar o processo de regularização da distribuição ainda neste mês de janeiro", avisa a nota.

Ainda segundo o MS, a remessa de vacina pentavalente, adquirida por intermédio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), foi reprovada em testes de qualidade feitos pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) e análise do Ministério da Saúde. Por este motivo, as compras com o antigo fornecedor, a indiana Biologicals E. Limited, foram interrompidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que pré-qualifica os laboratórios.

A pasta solicitou reposição do fornecimento à Opas, porque a vacina não é fabricada no Brasil. Foi feita nova aquisição de 8 milhões de doses e as imunizações começaram a chegar de forma escalonada em agosto de 2019 no Brasil. De acordo com o Ministério, quando os estoques forem normalizados, o Sistema Único de Saúde (SUS) fará busca ativa pelas crianças que completaram dois, quatro ou seis meses de idade, para vaciná-las.

Este conteúdo exclusivo para assinantes está temporariamente disponível a todos os leitores