PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Fortaleza deve capacitar 140 médicos para atenção primária em parceria com o Estado

Escola de Saúde Pública do Ceará deve disponibilizar tutores para acompanhar o trabalho dos 140 contemplados por um ano

10:34 | 14/05/2019

O Programa Médico da Família Ceará começa a ser aplicado em Fortaleza. Na manhã desta terça-feira, 14, o convênio foi assinado pelo Governador Camilo Santana (PT) e o prefeito Roberto Cláudio (PDT). A prefeitura deve apresentar 140 vagas para completar o Programa de Saúde da Família no Município; em contrapartida, o Estado vai atuar na capacitação e monitoramento dos profissionais durante um ano.

Em um cenário com a saída dos médicos cubanos e o lançamento do edital do Programa Mais Médicos, a Secretária Municipal da Saúde (SMS), Joana Maciel, destaca o fortalecimento da atenção primária, como um dos benefícios do convênio com o Governo do Estado. "No próprio instante em que a gente está fazendo especialização na área, o médico conhece melhor ainda a realidade do posto de saúde, da atenção primária".

No total, 140 profissionais devem ser orientados pela Escola de Saúde Pública do Ceará. "Outra questão é um treinamento em serviço. Não teremos a menor dúvida de que fará grande diferença nos indicadores de saúde da nossa população", projeta Joana. Para a gestora, a atenção primária é o ponto que deve ser mais fortalecido. É a porta de entrada do Sistema Único da Saúde".

Estado

Titular da Saúde do Estado do Ceará (Sesa), Carlos Roberto Martins Rodrigues, o dr. Cabeto, projeta que o acompanhamento dos profissionais deve estimular que as habilidades necessárias para trabalhar nessa área sejam alcançadas. "Esse é o início de um processo que estamos implantando na Sesa que é qualificar todos os profissionais de saúde nas mais diversas áreas. É da obrigação não só oferecer o serviço, mas garantir a qualidade e eficiência do sistema. Não só isso torna mais resolutivo, como faz melhorar os resultados da saúde pública, que é mais importante”.

A perspectiva é que os profissionais atuem, nesta primeira etapa, apenas em Fortaleza. No entanto, Cabeto indica que numa fase posterior seja estabelecido planos de carreiras para médicos, enfermeiras, fonoaudiólogos. Para que, uma vez entrando nessa programação, eles tenham garantindo um sistema de carreira, que disponibilize não só a qualificação, como monitoramento e avaliação.

A formação terá duração máxima de um ano, além de carga horária que contemplará 1.920 horas distribuídas entre atividades práticas de treinamento em serviço, atividades didáticas presenciais e/ou a distância, que inclui a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e outras definidas pela coordenação do Programa. O curso será ofertado exclusivamente a médicos brasileiros ou estrangeiros, com visto permanente no Brasil, com registro definitivo junto ao Conselho Regional de Medicina (CRM), que atuem ou pretendam atuar junto a equipes multiprofissionais no âmbito da Atenção Primária à Saúde no Ceará.

Com informações do repórter Rubens Rodrigues

Redação O POVO Online