PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Lixeiras subterrâneas são instaladas no Mercado dos Peixes para diminuir acúmulo de lixo a céu aberto

Coletas são feitas um dia sim outro não. Durante os fins de semana, quantidade de lixo ultrapassa capacidade dos equipamentos

00:00 | 13/05/2019
Lixo que ficava a céu aberto agora é acumulado de forma subterrânea até o momento da coleta diária
Lixo que ficava a céu aberto agora é acumulado de forma subterrânea até o momento da coleta diária(Foto: Fabio Lima/Fabio Lima)

Problema antigo no Mercado dos Peixes, o lixo acumulado na calçada e a céu aberto pode ter solução com as novas lixeiras subterrâneas implantadas pela Prefeitura. Quatro lixeiras de 4 mil litros cada foram instaladas no local para melhorar as condições de descarte de lixo dos comerciantes. Os trabalhadores explicam que o mau cheiro causado pelos produtos orgânicos em decomposição já está menos perceptível. No entanto, em momentos de maior fluxo, como nos fins de semana, os equipamentos ficam sobrecarregados.

“Passaram explicando que quando ficasse cheio, era para esperar a coleta e não colocar o lixo na calçada. Mas nem todo mundo está respeitando isso”, disse José Iran Silva dos Santos, que trabalha como vendedor no local. De acordo com a Prefeitura, as lixeiras são limpas um dia sim outro não. Quando fica lotado, o equipamento aciona um alarme para a Ecofor Ambiental, que envia equipe para fazer o esvaziamento. 

Ver turistas passando cobrindo o nariz era rotina, segundo o flanelinha Reginaldo Evaristo Silva. “Eles chegavam a perguntar se o peixe era fresco mesmo, porque o cheiro era horrível. A gente tinha que explicar que eram os containers de lixo, e não a comida”, relembra. No Iate Plaza Hotel, do lado do Mercado dos Peixes, a reclamação dos hóspedes era constante. O chefe de recepção Ronny Araújo diz que atualmente o problema causa menos queixas.

FORTALEZA, CE, BRASIL, 13.05.2019: Lixo subterraneo no mercado dos peixes.  (Fotos: Fabio Lima/O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 13.05.2019: Lixo subterraneo no mercado dos peixes. (Fotos: Fabio Lima/O POVO) (Foto: 16 20:55:25)

Para Vanessa Pereira, também comerciante do Mercado, a maioria está respeitando as novas lixeiras, sem descartar o lixo de “qualquer jeito”. Segundo a vendedora, desde que começou a trabalhar no local, há seis anos, existe a reclamação do lixo acumulado causando mau cheiro. Outro ponto que persiste sendo um problema para os comerciantes é o esgoto. “Mau cheiro acabou, pelo menos por enquanto está dando certo. Mas sempre quando chove o esgoto ainda explode”, diz.

A Secretaria Regional II afirma que são realizadas drenagens pontuais no esgoto do local para desobstruir a encanação e prevenir vazamentos. Conscientização dos trabalhadores é outro ponto desenvolvido pela secretaria, para orientar a melhor forma de descartar o lixo. Segundo o órgão, o uso indevido do sistema de esgoto causa problemas também. "Infelizmente constatamos que acontecem descartes irregulares de vísceras e cabeças de peixes e camarões na rede coletora de esgoto do equipamento. Essas práticas acabam ocasionando o entupimento e extravasamento da rede coletora", afirma em nota. Periodicamente dedetizações nos boxes são realizadas.

Alexia Vieira