PUBLICIDADE
Fortaleza
PROTESTO

Manifestação reúne mais de 3 mil mulheres nesta sexta no Centro de Fortaleza

O público saiu da Praça Murilo Borges, em frente ao prédio da Justiça Federal, no Centro de Fortaleza, rumo à Praça da Gentilândia, no Benfica

18:38 | 08/03/2019
Foto: Isaac de Oliveira/O POVO
Foto: Isaac de Oliveira/O POVO

Ato unificado de movimentos sociais pela vida das mulheres acontece nesta sexta-feira, 8, no Centro de Fortaleza. A manifestação ocorre neste Dia Internacional da Mulher, lembrando da vereadora carioca Marielle Franco, assassinada no ano passado, e protestando contra os altos números de feminicídios no Ceará. A organização do evento estima que pelo menos 3 mil mulheres tenham participado. 

A partir das 15 horas, concentraram-se representantes de 58 movimentos sociais, partidos políticos, centrais sindicais, indígenas, quilombolas, umbandistas, jovens, dentre outros segmentos. O público saiu da Praça Murilo Borges, em frente ao prédio da Justiça Federal, no Centro de Fortaleza, rumo à Praça da Gentilândia, no Benfica, onde devem acontecer apresentações culturais.

 
 
 
Visualizar esta foto no Instagram.

Ato unificado de movimentos sociais no Dia das Mulheres se concentra na Praça Murilo Borges no Centro de Fortaleza. (Vídeo: Alex Gomes/ Especial para O POVO)

Uma publicação compartilhada por O POVO Online (@opovoonline) em

Com o lema “Pela vida das mulheres, somos todas Marielle, Stefhanie, Ingrid e Dandara”, o ato protesta ainda contra o machismo e "as ameaças que o governo de Jair Bolsonaro (PSL) representa". "Isso é culpa de um governo que não prioriza as mulheres, não tem política orientada para elas, nem destina recurso a essas políticas públicas. Nós não sairemos das ruas enquanto não derrubarmos esse governo, já que ele insiste em derrubar a vida das mulheres", detalha Mariana Lacerda, militante da Marcha Mundial das Mulheres.

"A morte de Marielle ainda está impune. É um retrato do que a gente tem vivido no País, o assassinato de várias mulheres e o crescimento do fascismo. O nosso maior desafio hoje é se manter viva", destaca Paula Colares, coordenadora nacional do Movimento de Mulheres Olga Benário.

Em frente ao prédio da Previdência Social, na rua Pedro Pereira, os manifestantes gritaram palavras de ordem e fizeram críticas à Reforma da Previdência.

Segundo a secretária da Mulher Trabalhadora da CUT Ceará, Ozaneide de Paula, o ato reforça a luta por democracia, mais direitos e contra a reforma da Previdência apresentada pelo governo de Bolsonaro, que atinge, principalmente, as mulheres.

"O Dia Internacional de Luta das Mulheres é um marco para a história de todas as mulheres ao redor do mundo e se tornou uma data marcada por protestos para pedir igualdade de gênero e o fim da violência contra a mulher. Neste 2019 não será diferente", diz Ozaneide.

Com informações do repórter Isaac de Oliveira

Lucas Braga