PUBLICIDADE
Notícias
VIOLÊNCIA NO CEARÁ

Ceará tem redução de mais de 60% em mortes violentas no mês de janeiro, diz SSPDS

Começo do ano foi marcado pela onda de violência no Estado

01:51 | 07/02/2019

Apesar dos 261 ataques criminosos registrados no Ceará, janeiro de 2019 apresentou uma redução de mais de 60% em Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs). Os dados foram divulgados pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), que informou, também, que esse é o melhor resultado na estatística de CVLI desde maio de 2011 e o mês com melhor média diária desde agosto de 2011, ficando abaixo de sete vítimas por dia.

Segundo a SSPDS, foram registrados 192 CVLIs, incluindo homicídio, lesão corporal seguida de morte e latrocínio (roubo seguido de morte). Em janeiro de 2018, houve 482 mortes violentas. Esse resultado foi o melhor desde maio de 2011, quando ocorreram 195 crimes.

Também não foi registrada nenhuma morte dentro das unidades prisionais cearenses durante esse período.

Regiões do Ceará

Na Capital, essa queda foi de 68,9%. Foram 51 casos no primeiro mês do ano contra 164 mortes em 2018. Janeiro de 2019, em Fortaleza, foi o melhor mês desde setembro de 2016. Na Região Metropolitana, o número foi de 152 casos no mês passado e em janeiro de 2018 reduziu para 52, o que corresponde a menos 65,8%.

Na Região Norte do Ceará, a queda foi de 52,9%, baixando de 87 crimes no primeiro mês de 2018, para 41, em 2019. Por último, no Interior Sul, a queda foi de 39,2%, reduzindo de 79 para 48 CVLIs. Por último, não foi registrado nenhum crime contra a vida dentro das unidades prisionais do Estado, durante os 31 dias do mês passado.

NÚMEROS DE VÍTIMAS NO CEARÁ (JANEIRO/2018 ATÉ JANEIRO/2019)

Mês                                             CVLI                          OCORRIDO EM UNIDADE PRISIONAL

Janeiro/2018                                 482                                                       14

Fevereiro/2018                              361                                                         1

Março/2018                                   414                                                         4

Abril/2018                                     367                                                         2

Maio/2018                                     372                                                         2

Junho/2018                                   384                                                         5

Julho/2018                                    378                                                         4

Agosto/2018                                  352                                                         2

Setembro/2018                              391                                                         5

Outubro/2018                                363                                                         4

Novembro/2018                             326                                                         1

Dezembro/2018                             328                                                         5

Janeiro/2019                                  192                                                         0

Ataques no Estado

O mês de janeiro de 2019 foi marcado por uma onda de ataques criminosos iniciados no dia 2, contra ônibus, prédios públicos, rede de energia elétrica, tentativa de explosões de viadutos, entre outros locais em 50 municípios cearenses.

Os ataques começaram após o secretário de Administração Peninteciária, Luís Mauro Albuquerque, ter anunciado o endurecimento do sistema prisional em todo o Estado. A última ação registrada no mês de janeiro foi no dia 29, em que bandidos incendiaram um ônibus na Capital e um caminhão em Maracanaú.

Ontem, 5, o secretário nacional de Segurança Pública, Guilherme Theophilo, informou que as tropas da Força Nacional serão retiradas “progressivamente” a partir desta semana. Porém, o cronograma deve durar entre um e dois meses. “A gente vai sentido à medida que o tempo vai passando se os ataques podem retornar ou não”, disse.

Redação O POVO Online