PUBLICIDADE
Notícias
"PACIÊNCIA E FÉ DE JÓ"

Familiares fazem vigília na noite desta terça-feira em frente ao Fórum Clóvis Beviláqua

Juiz corregedor dos presídios citou personagem bíblico para responder sobre retorno das visitas sociais

23:53 | 29/01/2019
Familiares acampam em frente ao Fórum Clóvis Beviláqua desde às 9 horas da manhã (Foto: Italo Cosme/Especial para O POVO)
Familiares acampam em frente ao Fórum Clóvis Beviláqua desde às 9 horas da manhã (Foto: Italo Cosme/Especial para O POVO)

Acampados desde às 9 horas em frente ao Fórum Clóvis Beviláqua, familiares de presos fazem vigília no local durante a noite desta terça-feira, 29. Os parentes aguardam por um posicionamento do Estado após suspensão de visitas nos presídios cearenses. Nesta tarde, os acampados foram recebidos pelo juiz corregedor dos presídios no Ceará. Durante o encontro, o corregegor Luiz Bessa Neto pediu “paciência e fé de Jó” sobre normalização dentro das unidades prisionais.

Um parente de interno que preferiu não se identificar afirma que deve seguir o conselho do corregedor. “Nós vamos continuar acampadas aqui até sair uma resposta para ter visita. Se eles vão liberar, se eles vão fazer alguma coisa”. Nas primeiras horas de vigília, mulheres relatam tentativa de intimidação. “As meninas estão sendo oprimidas, estão na parede, estão dando buscas de armas nos familiares que estão protestando”, disse familiar de um detento que também não quis se identificar.

De acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), as visitas estão suspensas em cinco unidades prisionais: UP Agente Luciano Andrade Lima (antiga CPPL I), Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Clodoaldo Pinto (CPPL III), Instituto Penal Professor Olavo Oliveira (IPPOO II), UP Professor José Sobreira de Amorim e UP Desembargador Francisco Adalberto Barros de Oliveira Leal. Em nota, o órgão informou que as visitas estão suspensas por tempo indeterminado e nas demais unidades permanecem sem alteração.

Alexandre Sales, presidente da seccional cearense da Associação Nacional da Advocacia Criminal (Anacrim), participou do encontro entre parentes e corregedor. Segundo ele, o clima foi de desabafo. Alexandre afirma que Bessa Neto pediu "paciência e fé de Jó" às cinco representantes de presos presentes, mas que o pedido não foi em tom de deboche. Além dele, dois representantes do Ministério Público e dois da Defensoria Pública estiveram no encontro.

O POVO Online contatou Luiz Bessa Neto para tratar sobre a reunião, mas ele negou a entrevista por telefone. De 9 às 12 horas, OPOVO Online aguardou em frente ao Fórum para conversar com o corregedor dos presídios. Mas assessoria de imprensa não localizou o Juíz. Bessa afirmou que passou toda a manhã em reunião dentro do Fórum. À tarde, o representante se reuniu com os familiares, mas não chegaram a um consenso.

O POVO Online apurou que Luiz Bessa Neto deixa o cargo em 7 de fevereiro. Segundo a fonte, o tempo de permanência no cargo chegou ao limite. Seguindo a lógica, deve assumir o posto Luciana Teixeira, juíza da segunda vara de execuções penais da comarca de Fortaleza. Anterior a Bessa estava Cézar Belmino Barbosa Evangelista Júnior, titular da 3ª Vara.

Durante a manhã, o policiamento no local foi reforçado. Agentes do Batalhão de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio) e da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) fizeram a guarda do prédio, além do efetivo já utilizado pelo Fórum. Cones e grades foram colocados na rampa de entrada do prédio. A passagem de pessoas foi controlada. Familiares sequer conseguiam chegar na recepção.