Sindicato teme demissões com ônibus sem cobrador e que só aceita pagamento eletrônicoNotícias de Fortaleza
PUBLICIDADE
Notícias


Sindicato teme demissões com ônibus sem cobrador e que só aceita pagamento eletrônico

Teste de linha de ônibus que aceita apenas pagamento eletrônico entrou em funcionamento no início da semana e assusta trabalhadores da categoria

15:30 | 01/11/2018
NULL
NULL
[FOTO1]Linha de ônibus em fase de testes que aceita apenas pagamento eletrônico (com vale transporte, bilhete único ou carteirinha de estudante com crédito) começou a funcionar em Fortaleza na última segunda-feira, 29. A linha 150, que faz o mesmo itinerário da 50 (Siqueira/ Papicu/ Washington Soares), não possui cobrador e, portanto, não aceita passageiros que pretendam pagar a passagem em dinheiro. A proposta não agrada trabalhadores do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários do Estado do Ceará (Sintro). Existe o temor de que, caso o teste seja aprovado, ocorra cerca de 4.500 demissões entre trabalhadores da categoria.

[SAIBAMAIS]Conforme o diretor presidente do Sintro, Domingo Neto, não houve conversa entre o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus) e o sindicato dos trabalhadores, não sendo a possível mudança informada previamente à categoria. Além da preocupação com os empregos que podem ser serviços, ele alerta do acúmulo de funções para o motorista. “Com certeza não vai ter um serviço de qualidade para a população”, lamenta.

Domingo aponta que mais acidentes podem ocorrer com passageiros, principalmente em ônibus que o desembarque é pela porta traseira. Alerta, ainda, que cerca de 460 motoristas hoje acumulam funções em Fortaleza e na região metropolitana e que esse número deve aumentar com possível a mudança. Segundo ele, a presença do cobrador é importante, já que o motorista muitas vezes não consegue prestar atenção ao trânsito, ao desembarque e à liberação de passageiros nas catracas ao mesmo tempo. “Os motoristas não dão conta de lidar com um ônibus lotado sem cobrador”. 

Um cobrador que trabalha no transporte público há oito anos e preferiu não se identificar falou que a linha em que está sendo feito o teste é “pesada”, com uma grande demanda de passageiros. Ressaltou ainda que, muito além da tarefa de dar troco, a profissão do cobrador é importante para orientar passageiros com relação ao destino e dar apoio ao motorista no desembarque. “Estão dizendo que é piloto, teste [a linha 150], mas nós sabemos que possivelmente é uma demissão em massa”, teme.
 
Em nota, a Etufor informou que o objetivo da nova linha é "testar a tecnologia como favorecimento para a agilidade no embarque e desembarque, aumentando a velocidade dos coletivos, tornando a viagem mais rápida e melhor conectando os terminais do Siqueira e do Papicu, além de reduzir o dinheiro a bordo". Disse, ainda, que a existência do projeto piloto não exclui a opção de outros usuários que prefiram outras formas de pagamento, já que os ônibus rodam simultaneamente com os da linha 50.
 
"O conceito se propõe a ser uma estratégia de operação de curto prazo, mantendo o serviço original do sistema, onde os cobradores estão presentes", afirmou. Não foram respondidas as questões com relação à possível demissão em massa.  
 
O POVO Online entrou em contato com o Sindiônibus para um posicionamento sobre o caso. Por meio da assessoria, o sindicato informou que não se posicionaria sobre o caso e que apenas a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) responderia. A reportagem também entrou em contato com a empresa.
TAGS