Em Fortaleza, pelo menos quatro pessoas foram vítimas do "golpe do vômito" na UberNotícias de Fortaleza
PUBLICIDADE
Notícias


Em Fortaleza, pelo menos quatro pessoas foram vítimas do "golpe do vômito" na Uber

Dos quatro casos relatados sobre o "golpe do vômito" na Uber, três aconteceram nas últimas duas semanas

17:26 | 03/11/2018
NULL
NULL
Pelo menos quatro pessoas teriam sido vítimas do "golpe do vômito" aplicado por motoristas da Uber em Fortaleza. Após a publicação do primeiro caso, em matéria do O POVO Online, nessa sexta-feira, 2, outras três vítimas relataram problema similar com a plataforma de transporte privado.
[FOTO1]
Os motoristas operam quase sempre da mesma forma. O passageiro embarca durante a noite, após sair de um bar e, no dia seguinte, descobre que o valor original foi estornado. O valor cobrado no dia seguinte, conforme O POVO apurou, varia de R$ 250 a R$ 372.

No primeiro caso noticiado, ocorrido no último dia 24, o passageiro verificou que o motorista usava foto de outra pessoa no perfil do aplicativo. Ele conseguiu o estorno do valor no cartão de crédito. No segundo caso, no dia 27, a cliente segue em tratativas com a Uber. De ambos foi cobrado R$ 350.

Outro caso aconteceu no último dia 27. O passageiro, que também pediu para não ser identificado por questão de segurança, relatou à empresa que se sentiu mal e pediu para o motorista fazer algumas paradas durante o percurso. O POVO Online teve acesso ao e-mail enviado à empresa de transporte privado.

"Pouco depois que saímos, senti um enjoo e perguntei ao motorista se ele poderia parar o carro. Depois que ele parou, próximo da calçada, abri a porta e vomitei na rua. Durante o percurso, solicitei que ele fizesse mais duas paradas e em todas abri a porta do carro e vomitei na rua, sem sujar o veículo", detalha a vítima em e-mail enviado à Uber.

No dia seguinte, ao avaliar o motorista, o homem deixou um comentário pedindo desculpas pelas paradas na corrida. "Quando adicionei uma gorjeta, tamanha foi minha surpresa ao ver que o valor da corrida estava em R$ 372,67".

Ainda no contato com o suporte, ele afirma que o carro sujo que aparece na foto enviada pela empresa não é o mesmo da sua viagem. A foto, contudo, é a mesma usada nos outros dois casos. "Muito me espanta uma plataforma como a Uber fazer uma acusação e uma cobraça como essa sem antes veirificar a validade das provas", protestou. Ele classifica o caso como acusação fraudulenta.
 
O Dj e produtor de eventos Luiz Neto, de 24 anos, afirma que foi vítima de uma ação parecida em julho último. O ponto de partida foi o Posto Eco, na Aldeota, para a residência do Dj. A corrida custou R$ 20. Luiz Neto descobriu o custo de R$ 250 no dia seguinte e ficou impossibilitado de realizar novas viagens.

"Fiquei sem entender. A Uber me informou que o débito foi devido a vômito no carro, mas ninguém vomitou. Foi surreal", conta. "Enviaram a foto do carro sujo. Falei que o motorista estava agindo de má fé, que minha nota na Uber era alta e que não usaria mais o aplicativo porque eu não pagaria por algo que não ocorreu. A Uber pediu desculpas e removeu o valor imediatamente". 
 
Questionada sobre o primeiro caso no último dia 31, a Uber respondeu que a ococerrência "já havia sido resolvida". Em nota, a empresa afirmou ainda que praticar ou participar de uma ação fraudulenta, de qualquer natureza, "é uma violação clara" dos Termos e Condições de Uso. "Estamos constantemente avaliando nossos processos e tecnologias relacionados a essas questões, e tomaremos as medidas cabíveis sempre que uma possível fraude for identificada", conclui a nota.

A reportagem contatou a Uber sobre os outros casos, mas não houve retorno até a publicação desta matéria.
TAGS