Vendedor também relata abordagem violenta na "Praia dos Crush"Notícias de Fortaleza
PUBLICIDADE
Notícias


Vendedor também relata abordagem violenta na "Praia dos Crush"

PM nega truculência. Grupo de jovens também denunciou abuso policial no local, conforme O POVO noticiou

22:53 | 03/10/2018
NULL
NULL
Um novo vídeo circula nas redes sociais com supostos abusos policiais em abordagem na Praia de Iracema nesse último domingo, 30, em um trecho conhecido como Praia dos Crush (Praia do Lido). Desta vez, o dono de uma barraca da praia é abordado por quatro policiais. O vídeo mostra o homem sendo jogado no chão e chegando a receber um pisão. Veja o vídeo: 
 
[VIDEO1] 

A gravação, de 11 segundos, no entanto, não mostra todas as agressões, afirma o vendedor. Em entrevista ao O POVO, ele diz que a ação durou cerca de um minuto. Além do mostrado nas imagens, ele afirma ter recebido jatos de spray de pimenta no rosto e golpes de cacetete. A esposa dele, ao tentar conter a ação, também foi vítima da ação, ele relata.

Paulo Gleidson Tome de Souza afirma que a abordagem ocorreu após policiais atirarem para cima visando dispersar os frequentadores da Praia dos Crush. “Eles alegam haver arrastão, mas não é. O povo corre porque já sabem que eles quando entram na areia vão atirar”. Esse procedimento ocorreria todo domingo, há pelo menos dois meses. No último domingo, aconteceu, conforme relata, após um assalto. O criminoso teria sido detido e encaminhado pelos policiais a uma delegacia, mas, mesmo assim, teria havido a tentativa de dispersão.

Gleidson conta ter sido abordado já com um tapa no rosto, no momento em que se dirigia de sua barraca para uma outra. Ele afirma que as agressões ocorreram por ele ser monitorado por tornozeleira eletrônica. Gleidson é réu por porte de drogas, após ser preso com 74 gramas de maconha — ele afirma que a prisão em flagrante foi injusta. A droga, encontrada próximo a ele, só foi ligada a Gleidson por ele já ter respondido por tráfico. “Não é porque eu caí em 2004 com droga que é obrigado eu estar vendendo até hoje”. Por conta da tornozeleira, Gleidson conta ter passado a ser revistado e agredindo “toda hora”. Ele diz não se importar com as averiguações, desde que não sejam violentas. ”É o trabalho deles. Mas eles chegarem já metendo a peia, tacando pimenta não”.

Em nota, a Polícia Militar reafirmou o que já havia divulgado quando questionada sobre uma ação também denunciada como truculenta no mesmo local e também no domingo. Conforme a PM, a região recebia operação com intuito de coibir a criminalidade. Policiais foram acionados por denúncias que ocorria uma série de assaltos na praia.

 
"A Polícia Militar do Ceará não compactua com a prática da violência por parte de seus integrantes e acrescenta que a ação dos policiais militares foi legal obedecendo os princípios do uso da força moderada”, afirmava a nota. Sobre este novo caso, a PM acresceu apenas que orienta que pessoas que se sentiram agredidas durante abordagens procurem os órgãos de disciplina de segurança pública do Estado.
 
[FOTO1]
 
Saiba Mais
No mesmo domingo, também na Praia dos Crush, uma outra abordagem policial foi denunciada por truculência, como O POVO mostrou na edição dessa quarta-feira, 3. Igualmente um vídeo foi feito registrando parte da ação, contra um grupo de jovens. Conforme os denunciantes, as agressões começaram após eles não saírem da praia quando disparados os tiros. Policiais teriam xingado um grupo de amigos de “vagabundos” e “maconheiros”. Ao questionar os insultos, teriam começado as agressões físicas contra os jovens.

Pelo menos, quatro jovens relatam terem levado tapas, chutes e jatos spray de pimenta. Somente um adolescente de 18 anos, no entanto, foi detida, mas não chegou a ser indiciada e foi liberada em seguida. A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD) determinou aberta de procedimento disciplinar para apurar o caso.
TAGS