Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Limite de velocidade de 50 km/h na avenida Osório de Paiva começa a ser aplicado

AMC justifica que mudança deve diminuir o número de acidentes na via. Pedestres comemoram a medida; alguns motoristas reclamam
12:36 | Ago. 30, 2018
Autor -
Foto do autor
- Autor
Tipo Notícia

[FOTO1]A partir desta quinta-feira, 30, o trecho da avenida Osório de Paiva entre as avenidas Gomes Brasil e Perimetral começa a ter velocidade máxima de 50 km/h. A medida é acompanhada por série de ações de segurança no trânsito, como implantação de novos semáforos e faixas de pedestre. Até o fim de setembro, o limite de velocidade deve ser sinalizado em toda a via. Até março do próximo ano, estará em vigor período educativo para que a população se adeque à mudança, não havendo multa para velocidades menores que 60 km/h, o limite antigo. O objetivo é diminuir o número de acidentes, assim como ocorreu na avenida Leste Oeste, que teve velocidade máxima diminuída no início do ano. 

Conforme o assessor técnico da Autarquia Municipal de Trânsito (AMC), Luis Barcelos, a expectativa é de que o número de acidentes diminua na média obtida na avenida Leste Oeste. Com a alteração em fevereiro naquela via, o número de atropelamentos diminuiu em 63% e o de acidentes com vítimas, em 54%. Até o momento, foram implantados na avenida Osório de Paiva seis novos semáforos, sendo um para pedestres, além de várias placas de sinalização ao longo do trecho em que a nova regra passa a valer. 

[SAIBAMAIS]“Essa avenida corta bairros populosos, muitas pessoas cruzam a pé, mas nós temos uma realidade muito triste. Ao longo de dez anos, foram 129 mortes”, lamenta. Ele diz que o tempo de viagem para os motoristas não deve ter muita alteração após a diminuição do limite de velocidade. “Ninguém consegue trafegar em uma avenida dessas a 60 km/h o tempo todo, a velocidade média é menor que 50 km/h”, afirma. 

[FOTO2]No entanto, há quem considere a mudança prejudicial. Frentista de um posto de gasolina da avenida reclamou ser a velocidade máxima muito baixa para a avenida. Segundo ele, o movimento no posto também diminuiu devido às alterações nos retornos. A questão também incomoda o aposentado João Mota, 81. “O retorno é lá embaixo, fica muito ruim. Quase não tem opção”, diz. A diminuição da velocidade não é um problema para ele. “Deve diminuir número de acidentes”, considera.

A recepcionista Luciana Moura, 44, critica a medida. “Ficou muito complicado, aqui tem parada de escola, é muito movimentado, o trânsito ficou muito congestionado”. Ela disse, ainda, que recebeu uma multa por conta das mudanças na região, mas não explicitou em que via isso ocorreu. Para o funcionário de restaurante Robson Silva, 22, o pequeno atraso no trajeto é um mal menor quando se considera a diminuição do número de acidentes. “Prejudica por causa da demora, mas na segurança fica melhor. Tinha muito acidente aqui”, pontua. 
 
[FOTO3]Pedestres 
 
Para quem atravessa a via a pé, os semáforos e as faixas de pedestres ajudaram a trafegar com segurança e a ganhar tempo no dia a dia. A estudante Janaina Castelo Branco, 34, conta que um percurso que antes ela demorava 20 minutos diminuiu para 12 minutos por não ter mais que ficar esperando a passagem de carros para atravessar. “Era meio complicado, eu tinha que passar lá no outro sinal. Tá bem melhor”, comemora. O estudante Marcelo Rodrigues, 18, concorda. “Antes atravessava quando dava, era quando não vinha carro. Agora a travessia melhorou”, diz. Também melhorou para o aposentado Francisco Soares, 70. “Muito velhinho precisava atravessar e não podia”, conta.

A Osório de Paiva ainda receberá faixa exclusiva de ônibus, 1 km de ciclofaixa, mais um semáforo, redesenho de calçadas e faixas de pedestre nos pontos mais críticos, além de requalificação do canteiro central. A maior parte das mudanças ocorrerá no trecho entre o terminal de ônibus Siqueira e o Anel Viário.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Doria critica negacionismo durante reinauguração do Museu da Língua Portuguesa

POLÍTICA
2021-07-31 13:47:06
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), reabriu o Museu da Língua Portuguesa neste sábado, 31. A cerimônia teve participação dos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Michel Temer (MDB), além da presença dos presidentes de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, e de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca.
Doria destacou a reabertura do espaço em meio à pandemia e defendeu a democracia e a ciência. "Há duas semanas, o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa incorporou mil novas entradas. Entre as novas palavras estão erros e problemas do presente: negacionismo ou pós-verdade, por exemplo. Para elas, a língua portuguesa tem os seus antídotos, suas vacinas, palavras que estão aqui há tempos: ciência, fatos, transparência, trabalho. E eu citaria, com muita ênfase: democracia, honestidade, respeito e liberdade", disse.
Na cerimônia, o presidente de Portugal condecorou o Museu da Língua Portuguesa com a Ordem de Camões, uma honraria destinada a pessoas ou instituições que prestem serviços relevantes à língua portuguesa. Os ex-presidentes brasileiros foram cordiais, sem declarações políticas.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Bolsonaro diz que Petrobras tem reserva de R$ 3 bi para custear vale-gás

POLÍTICA
2021-07-31 13:23:04
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O presidente Jair Bolsonaro disse que a Petrobras tem uma reserva de R$ 3 bilhões para custear um programa vale-gás, que permitiria a compra de botijão de gás de cozinha para a população mais carente. "O novo presidente da Petrobras, o (Joaquim) Silva e Luna, está com uma reserva de R$ 3 bilhões para atender realmente esses mais necessitados. Seria o equivalente - o que está sendo estudado até agora - a um botijão de gás a cada dois meses", informou o presidente em entrevista ao Programa do Ratinho, no SBT, na noite desta sexta-feira, 30.
Bolsonaro voltou a culpar os tributos estaduais pelos preços elevados do botijão de gás no País. "Eu zerei o imposto federal (do gás de cozinha). Não tem imposto federal, custa R$ 45,00 onde o gás é engarrafado. O restante é problema do ICMS, da margem de lucro de quem está vendendo e de frete", afirmou.
Na última segunda-feira, 26, em entrevista à rádio Arapuan, da Paraíba, o presidente disse que o preço do botijão de gás para o consumidor final deveria ser de, no máximo, R$ 70. No entanto, praticamente a metade do valor do preço do botijão fica com a Petrobras, segundo dados da própria estatal. O preço médio da revenda do gás de cozinha (13 quilos) no País foi de R$ 89,84 entre os dias 4 e 10 de julho. Do preço final, R$ 46,88 ficam com a Petrobras. Ainda de acordo com a empresa, há basicamente três componentes do preço do gás de cozinha: 48,9% representam a margem da estatal; 36,6% ficam com as distribuidoras (que fazem a aquisição, armazenamento, envasamento, transporte, comercialização e controle de qualidade) e os pontos de revenda; e 14,5% são impostos estaduais (ICMS).
A redução do preço do gás de cozinha é uma promessa de campanha de Bolsonaro que ainda não foi cumprida. Em agosto de 2019, o governo acabou com o subsídio do botijão de 13 quilos - havia desconto apenas para o envase, compensado por todos os outros tamanhos, que eram vendidos a preços mais altos. Por outro lado, neste ano, o governo decidiu zerar a cobrança de impostos sobre o botijão de forma permanente. Por meio de uma Medida Provisória já aprovada no Congresso e sancionada pela Presidência, o Executivo zerou as alíquotas de PIS e Cofins, que representavam 3% do preço final do botijão.
Para compensar a perda na arrecadação com essa medida, o governo aumentou o tributo sobre os bancos, colocou fim a um programa de incentivo à indústria petroquímica e limitou a compra de carros com isenção por pessoas com deficiência.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Aneel: bandeira tarifária de agosto se manterá vermelha

Geral
2021-07-31 13:22:52
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu manter a bandeira vermelha, patamar 2, para o mês de agosto. Com isso, o custo de cada 100 kilowatt-hora (kWh) consumido continua sendo de R$9,492. Segundo a agência, não houve mudança nos cenários hidrológicos do país. Ou seja, os reservatórios das usinas hidrelétricas ainda sofrem com o período de seca, forçando o uso de fontes de energia mais caras.

“Agosto inicia-se com igual perspectiva hidrológica, com os principais reservatórios do SIN [Sistema Interligado Nacional] em níveis consideravelmente baixos para essa época do ano. Essa conjuntura sinaliza horizonte com reduzida capacidade de produção hidrelétrica e necessidade de acionamento máximo dos recursos termelétricos”, explicou a Aneel.

Em períodos de seca e consequente baixa nos níveis dos reservatórios, é necessário captar energia de outros tipos de usina, como as termelétricas. Esse tipo de usina gera energia a partir de combustíveis fósseis, como diesel e gás. Além de ser mais poluente, é mais cara. Por isso, quando as termelétricas são acionadas, o custo da geração de energia aumenta e a bandeira tarifária muda.

Dentre as dicas trazidas pela Aneel para reduzir o valor da conta de luz, estão o uso racional do chuveiro elétrico (banhos mais curtos e em temperatura morna), do ar condicionado (manter os filtros limpos e reduzir ao máximo seu tempo de utilização) e do ferro de passar (juntar roupas para passar de uma só vez e começar por aquelas que exigem menor temperatura).

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Seleções de vôlei podem encerrar primeira fase olímpica na liderança

Esportes
2021-07-31 13:22:28
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

As seleções feminina e masculina de vôlei podem encerrar a primeira fase dos respectivos torneios na Olimpíada de Tóquio (Japão) na liderança dos grupos. A situação mais favorável é a das mulheres, que chegaram neste sábado (31) a quarta vitória em quatro jogos ao superarem a Sérvia por 3 sets a 1, com parciais de 25/20, 25/16, 23/25 e 25/19, mantendo a ponta do Grupo A. Nesta segunda-feira (2), as brasileiras enfrentam o já eliminado Quênia às 9h45 (horário de Brasília).

Centro de Eventos tem movimento tranquilo durante vacinação neste sábado

Segunda dose
2021-07-31 13:10:00
Autor Mateus Brisa
Foto do autor
Mateus Brisa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Aplicando a segunda dose da vacina contra a Covid-19, o Centro de Eventos do Ceará, no bairro Edson Queiroz, registrou movimentação tranquila e filas rápidas na manhã deste sábado, 31 de julho (31/07). O POVO conversou com residentes de Fortaleza que receberam o reforço na imunização sobre deslocamento e a importância da vacinação.

FORTALEZA, CE, BRASIL, 31-07.2021: Centro de Eventos, Aplicação de segunda dose da vacina contra a Covid-19. (Foto:Aurelio Alves/ Jornal O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 31-07.2021: Centro de Eventos, Aplicação de segunda dose da vacina contra a Covid-19. (Foto:Aurelio Alves/ Jornal O POVO) (Foto: Aurélio Alves)

O professor Marcelo Caetano, de 48 anos, mora perto do Centro de Eventos e não enfrentou problemas para chegar no equipamento, localizado na avenida Washington Soares. Tanto a espera quanto o atendimento o agradaram. Com a vacinação, o professor espera “que tudo isso passe. Que todos sejam logo vacinados, para que [a pandemia] termine logo, ou amenize cada vez mais”.

FORTALEZA, CE, BRASIL, 31-07.2021: Centro de Eventos, Aplicação de segunda dose da vacina contra a Covid-19. (Foto:Aurelio Alves/ Jornal O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 31-07.2021: Centro de Eventos, Aplicação de segunda dose da vacina contra a Covid-19. (Foto:Aurelio Alves/ Jornal O POVO) (Foto: Aurélio Alves)

Deixar a pandemia de lado também é a esperança do servidor público Eronari Barbosa, 50. Para ele, a vacina é importante para a população “voltar ao normal, pelo menos tentar. Conviver com nossos familiares, amigos, trabalho”. Sua chegada ao local de vacinação também foi tranquila e, conforme repassou, demorou cerca de 40 minutos.

FORTALEZA, CE, BRASIL, 31-07.2021: Centro de Eventos, Aplicação de segunda dose da vacina contra a Covid-19. (Foto:Aurelio Alves/ Jornal O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 31-07.2021: Centro de Eventos, Aplicação de segunda dose da vacina contra a Covid-19. (Foto:Aurelio Alves/ Jornal O POVO) (Foto: Aurélio Alves)

Já a artesã Vládia Matias, 48, demorou mais em seu deslocamento até o Centro de Eventos. Moradora do José Walter, ela precisou passar pelo Terminal da Messejana. No local, ela afirma ter sido “muito bem recepcionada” e não enfrentado filas demoradas. Quando perguntada sobre seu sentimento ao tomar a segunda dose, Vládia se emociona em meio a lágrimas: “Tenho mãe idosa e diabética e sou hipertensa, é muito importante mesmo. A gente tem medo de pegar essa doença”.

FORTALEZA, CE, BRASIL, 31-07.2021: Centro de Eventos, Aplicação de segunda dose da vacina contra a Covid-19. (Foto:Aurelio Alves/ Jornal O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 31-07.2021: Centro de Eventos, Aplicação de segunda dose da vacina contra a Covid-19. (Foto:Aurelio Alves/ Jornal O POVO) (Foto: Aurélio Alves)

A voluntária Leila Façanha, 50, recebeu o reforço da imunização, assim como seu marido, e aguarda a vez dos filhos. “A alegria só vai estar completa quando chegar vacina no braço de todo mundo”, conta. Ela argumenta que se vacinar é um ato de amor ao próximo. “A gente toma não é só para a gente não, é para cuidar do próximo. A gente fala tanto de amor ao próximo, né? Então, uma demonstração de cuidado com o outro é que é o verdadeiro amor ao próximo. A gente cuida da gente e cuida do outro”, finaliza.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags