PUBLICIDADE
Fortaleza
Audácia do crime

Governador, presidente do Senado, juiz, promotor e policiais já foram ameaçados no Ceará

Sistema prisional, sobretudo questão dos bloqueadores, é motivo da quase totalidade dos casos

15:37 | 24/03/2018
Fachada da Sejus, com vista da janela marcada por balas
Fachada da Sejus, alvo de ataque na madrugada deste sábado, 24. (Foto: Daniel Duarte/Especial para O POVO)
As ameaças por parte de criminosos a agentes públicos se tornaram cada vez mais ousadas e recorrentes no Ceará. Na tentativa de incendiar prédio dos Correios no bairro Antônio Bezerra, em Fortaleza, foi deixada mensagem com vários alvos: o governador Camilo Santana (PT), o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB), a Assembleia Legislativa, a sede do Governo do Estado, bancos e lotéricas, postos de combustíveis, refinarias, antenas de telefonia, rádios e televisão, portos, aeroportos e redes de transmissão de energia elétrica. 
Foi prometida pelos criminosos série de atentados, dos quais o episódio no qual morreram três homens que atacaram a Secretaria da Justiça e Cidadania (Sejus) parece ter sido o primeiro.

O próprio governador revelou que já havia sofrido ameaça, em abril de 2016. À época, a motivação era a mesma de agora: intenção de bloquear sinal de celulares em presídios.

A Assembleia Legislativa havia aprovado lei para obrigar operadoras de celular a bloquear os sinais em presídios. A medida nunca foi aplicada e é objeto de disputa judicial. Também em abril de 2016, carro com 13 quilos de explosivos foi encontrado estacionado ao lado da Assembleia.
Robô colocado ao lado de carro preto encontrado com bombas perto da Assembleia
Robô usado em inspeção de carro com explosivos achado ao lado da Assembleia em 2016. (Foto: via WhatsApp O POVO)

Em julho do mesmo ano, carta com ameaças ao governador foi encontrada em ônibus incendiado na Barra do Ceará. A mensagem dizia que o Ceará não teria paz e prenunciava o caos no caso de continuar a "opressão no sistema penitenciário".

Presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira (MDB) recebeu ameaça no início deste mês. Na calçada em frente à residência do senador em Fortaleza, foi pichada mensagem que indica a mesma motivação por trás: "Presídio mudo, Eunício morto". Em fevereiro, o Senado havia aprovado lei sobre bloqueadores de celulares em presídios.

Profissionais de segurança e Justiça

Nem só políticos têm sido alvo de ameaças de grupos criminosos no Ceará. Em dezembro de 2017, a casa de casal de agentes penitenciários, ela ex-coordenadora do Sistema Penitenciário do Ceará, foi atacada por cinco homens que dispararam tiros de metralhadora. O homem foi atingido no pé.
Muro pichado com frase:
Muro pichado na casa de policial. (Foto: via WhatsApp O POVO)

Em janeirto, no município de Senador Pompeu, o fórum foi alvo de dois ataques. Criminosos realizaram disparos e deixaram bilhete com ameaças ao juiz, ao promotor de Justiça e ao delegado. Os criminosos exigiam a transferência de um preso. O pedido foi atendido.

 

Para entender o caso: